Dores e Amores (Regina Ruth Rincon Caires)

Ajeitada na velha cadeira, na calçada da pequena hospedaria que administra, Carminda observa a noite que cai. O costumeiro xale a lhe cobrir os ombros, os pés metidos em sapatos de pano, aspecto que em nada lembra a menina cheia de ideias que fora um dia. Desolada, de cabelos brancos, opacos, olha o movimento rotineiro das pessoas da vila. Em intervalos longos, os carros passam. Lentos. Mas, mesmo assim, a poeira da rua pouco cascalhada incomoda os olhos. Acende um cigarro, contrariando a ordem médica. Não quer saber. Havia atingido um tempo em que apenas atendia as próprias vontades. As mais simples. Para as outras, já não havia espaço.


Sonhou tão alto. Não foi infeliz, mas deveria ter nascido num mundo mais avançado. Sentia-se adiante no tempo. Aquele lugarejo tolheu seus horizontes. Traz tanta coisa no peito, tanta fala engolida, mas, ali, nem as opiniões podiam ser externadas. Ela era diferente, ninguém compreenderia. Só o marido, companheiro dos voos sonhados. Voaram, ainda que só em pensamento.
Pensa nos pais. Estrangeiros, fascinados pela promessa de conquistas aqui, nesta terra, cruzaram o oceano a bordo de um navio apinhado de esperançosos, desembarcando em Santos, no ano de 1918. Na bagagem, força de trabalho e sonhos. Prosperaram. E testemunharam que conquistas não são apenas riquezas. Foram felizes, ainda que por pouco tempo, mas foram. Tiveram duas filhas: Angelita e Carminda. Lindas, saudáveis. Certamente, as maiores vitórias.
Época de grandes epidemias, a mãe, de início, resistiu a um acometimento, mas não teve a mesma sorte quando enfrentou a escarlatina. Dias e dias de delírio, febre insana. Não resistiu. As meninas entravam na fase da adolescência. O pai, caixeiro-viajante, sem alternativa, internou as meninas num famoso colégio que ficava na Capital. Instituição renomada e dirigida por religiosas.
De início, tudo foi assustador. A falta da mãe, do quarto, da casa, das refeições alegres, das brincadeiras, das histórias contadas antes de dormir. Mudança difícil para ser assimilada assim, bruscamente. De repente, tudo passou a ter horário fixo, inflexível. Diferente da complacência da mãe. Não havia possibilidade de alterar nada, absolutamente nada, apenas seguir em frente.
Adaptaram-se ao internato. O requinte do ensino era prioridade da instituição. Era oferecido, além do estudo acadêmico, um leque de atividades. Aprenderam: costura, bordado, pintura, culinária, boas maneiras. Inteiraram-se da literatura, eram leitoras vorazes. Dedicadas, interessadas, exemplares, não foi difícil conseguirem uma convivência amistosa.
Aos domingos, quando não estava viajando, o pai sempre as visitava. Conversavam, ganhavam docinhos, balas. Alegria nas chegadas, tristeza nas partidas. E os anos se passavam. Para as meninas, o internato era de janeiro a janeiro. Não iam para casa nem mesmo nas festas de final de ano. Aliás, não havia casa. Com o tempo, o pai decidiu vender o imóvel. Morava em uma pensão. Além de menos oneroso, era muito menos solitário. A casa era povoada de recordações, ele não conseguia lidar e conviver apenas com lembranças. Queria a vida, lutaria até seus últimos dias pela educação das meninas.
E lutou. Até que um ataque fulminante interrompeu a batalha. As meninas ficaram chocadas quando um parente distante apareceu no internato. Sem meias palavras, a verdade foi contada. E a dor foi infinita. Choraram, silenciosamente. Angelita era a mais velha, mas ainda não era adulta. E assim, por determinação do tio, que mal conheciam, foram obrigadas a deixar o internato. Foram morar numa vila do interior. Distante, muito distante da Capital. Viajaram quase dois dias para chegar à nova morada. O tio era comerciante de calçados, casado com uma senhora muito refinada, prima de Santos Dumont. Não tinham filhos. A esposa, inconformada de morar naquele fim de mundo, vivia em constante litígio com o tio. Não demorou muito, a vontade da mulher venceu a demanda e se mudaram para Minas Gerais. Mas deixaram para trás as duas meninas.
Elas nunca souberam o que foi feito do dinheiro do pai. Foram deixadas ali, sem eira nem beira. Sozinhas. Através de ajuda de um e de outro, Angelita conseguiu uma sala para dar aulas, espaço cedido pela prefeitura. Ganhava uns trocados. Carminda bordava enxovais. O serviço era de tamanha perfeição que em pouco tempo conseguiu encomendas até mesmo das grandes cidades. Um primor.
Ainda procurando adaptação, receberam a notícia de que precisariam desocupar a edícula da casa do tio, onde viviam. Os novos proprietários iriam utilizar aquela área. E então foram acolhidas por uma prostituta. Passaram a viver em dois cômodos locados a preço simbólico e as duas continuaram trabalhando.
Angelita conheceu Samir. Apaixonaram-se. Depois de vários meses, ficaram noivos. Havia muitos planos para um futuro próximo, preparavam o casamento. Então, apareceu na cidade um engenheiro mecânico alemão, homem bonito, loiro e de misteriosos olhos azuis. Chegara para programar o serviço de abastecimento de água na cidade, expandir a área de distribuição. Assim que botou os olhos nele, Angelita perdeu a paz. Foi um amor tão arrebatador que não havia como controlar. De ambos os lados.
O noivado com Samir acabou. O forasteiro era casado, morava na Capital. Não escondeu, não mentiu. Angelita sabia que havia outra família, mas não se importava. Não demorou nada, engravidou. Para os moradores, foi um flagelo. Os alunos, aos poucos, foram se afastando até que a prefeitura não mais permitiu o uso da sala. Passou, então, a ajudar a irmã nos bordados.
Com a gravidez, o engenheiro abandonou a outra família, o casamento acabou. Quando a criança nasceu, Angelita estava muito debilitada. Quase não conseguia amamentar a filha. Era visível o esmorecimento do corpo, a prostração que acometia a mãe. Começaram as febres noturnas, o suor abundante, a inapetência, a tosse. A tuberculose foi diagnosticada. As poucas pessoas da cidade que falavam com ela, afastaram-se. Até mesmo o pai da criança deixou de visitá-la. E partiu…
Angelita era cuidada pela irmã e pela prostituta. Revezavam-se nos cuidados com a mãe e com a filha. A menina recebeu o nome de Lenita, e quando completou um ano, a mãe sucumbiu. Não resistiu ao mal.
Carminda ficou com a menina e cuidava dela como se fosse sua filha. Era tanto amor, tanto carinho, tanto desvelo. Quando a tomava nos braços, sentia que o coração que batia ali era também de Angelita.
Samir assistira a tudo, distante. Como sofreu com a morte de Angelita! E não escondeu. Conversava longas horas sobre isso com Carminda. Afeiçoou-se à menina, sentia-se próximo. E a criança retribuía. A convivência, intensificada dia a dia, foi trazendo uma sensação de família, de aconchego. Não seria possível dizer que entre eles havia um sentimento arrebatador, mas havia amor, algum tipo de amor. E assim, os dois passaram a viver juntos. Os três. Na casa, os móveis eram de caixotes. Os vestidos da menina, mesmo feitos de sacos de farinha, eram lindamente bordados. Lenita tinha beleza angelical. Amada, muito amada.
A mãe de Samir, comerciante de roupas e calçados, ofereceu parceria em uma filial que seria aberta numa cidade próxima. E foi um sucesso. Os dois, numa união serena, cheia de carinho, de respeito, conceberam um casal de filhos. Eram três riquezas. Lenita herdou o amor pelos livros, lembrava a mãe. Aliás, era a figura da mãe. A mesma beleza, a mesma altivez, a mesma força. Meiga, agradecida. Casou-se e foi imensamente feliz… Assim como os outros filhos.
Samir e Carminda mudaram de ramo. Adquiriram uma hospedaria e moravam ao lado, parede-meia. Ela continuou com o trabalho das agulhas, uma artista. Lia vorazmente. Era serena…
– Já é tarde, a noite está fria, vamos entrar… – sentiu a mão delicada de Samir pousar em seu rosto, com a mesma suavidade da vida toda. Foi feliz, era feliz…
Amparada pelos braços do parceiro, caminhou em direção à porta. A noite estava realmente fria. Sentia-se exausta. Sabia que era chegada a hora de descansar…

Anúncios

2 comentários em “Dores e Amores (Regina Ruth Rincon Caires)

Adicione o seu

  1. Texto bem interessante. A narrativa é de causar inveja com construções muito bonitas, ótimas descrições que retratam com precisão a saga de uma família, o regionalismo de uma pequena cidade do interior. Acho que esses elementos foram o destaque na trama rica e complexa. Parabéns pela estréia no grupo! Já era sua fã no EC. Beijos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: