Mosaico – Amana

Tenho sorrido após
as lágrimas
Tenho chorado depois
do riso forçado
Muitos pedaços de mim
estão perdidos
Ou talvez só adormecidos
Cansados
esgotados
Seria bom contabilizar
quantos cacos?
Qual é a forma
do mosaico que hoje
eu carrego?

(27 set 2020)

 

Esse poema é dedicado a todos os que não conseguiram juntar seus cacos sequer em um mosaico.

29 comentários em “Mosaico – Amana

Adicione o seu

  1. Uma poesia reflexiva sobre nossas vidas. Estamos sempre nos quebrando e nos remontando, porque faz parte do trabalho de viver esse continuar apesar de tudo, Muitas vezes me magoo, e poucas me revelo. Vou guardando meus pedaços em caixinhas, esperando que a cola dos dias e do esquecimento vá juntando e recompondo meu caminho.

    Linda reflexão, querida.

    parabéns.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Não faz bem guardarmos a mágoa para nós, Iolandinha, seja essa mágoa verdadeira ou fantasiosa… O jeito é colar tudo do nosso mosaico da forma como parecer melhor, não deixe tudo na caixinha, não. Uma hora ela vai transbordar… 😉

      Curtido por 1 pessoa

  2. Todos nós somos mosaicos, somos poeira de estrelas, somos como vitrais – feitos de caquinhos de vidro – que juntos formam imagens coloridas, luminosas, que encantam as pessoas. Um amigo muito sábio me disse uma vez: somos todos pedras preciosas. Nascemos na forma bruta e vamos sendo lapidados conforme nossas vivências, alerlgrias, mas principalmente dores. Um lindo diamante lapidado só existe pq lhe foram tiradas muitas lascas, muitos pedaços. Quando estamos tristes, frágeis, é quando somos mais belos.
    Muito bonito o q vc escreveu!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada, Ju, seu amigo tem razão! As pedras no caminho – ou os caquinhos – fazem toda a diferença, nada de chutá-las para a beira da estrada…

      Curtir

    1. Oi, Fernanda, obrigada, deve ser a inspiração de tantas poetas maravilhosas por aqui, que amo ler. Estou praticando poematerapia, rs. Preciso escrever sobre o que sinto e em prosa percebi que às vezes é difícil…

      Curtido por 1 pessoa

  3. Seu poema é muito triste. Sobretudo a dedicatória. Eu acho que viver não é fácil, mas acho também que a grande graça, e aqui uso a palavra em seu sentido teológico, está na nossa capacidade de regeneração. De nos reconstituirmos a partir de nossas dores e perdas. De rejuntar nossos cascos em um novo mosaico, em um desenho novo, em renovados propósitos. Grata por me propiciar essa reflexão, querida. Beijos

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Elisa, sim, partir em pedaços e depois conseguir juntá-los, de alguma forma: talvez a vida seja isso, ou o grande desafio dela. Quando não conseguimos isso, não estamos realmente vivendo como deveríamos…

      Curtido por 1 pessoa

  4. Lindo, triste e reflexivo, Amana.
    Somos mosaicos, sempre, desde antes da nossa fragmentação. A primeira, segunda, terceira…quantos pedaços nos tornamos, quanto poderíamos contabilizar?
    Talvez seja essa a nossa aprendizagem, seguirmos, sendo mosaicos.
    Gostei muito 👏👏💋

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Renata, obrigada pela leitura! É verdade, sempre mosaicos… Quem nunca se partiu em muitos pedaços? Desconheço…

      Curtir

  5. Tenho fascínio por mosaicos, principalmente os humanos. Para viver relações de verdade teremos sempre de nos arriscar. algumas vezes, quebramos a cara e nos transformamos em mosaicos, alguns simples, outros mais rebuscados. Os cacos são nossas cicatrizes, as partes que tivemos de quebrar para encaixar melhor a nossa alma. Parabéns pelo bem construído e significativo poema.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Claudia! Disse tudo, não há como viver sem nos partirmos de alguma forma… Quem tenta evitar isso sofrerá ainda mais… Sei lá se alguém consegue! Alguns fingem que sim… Obrigada! ^^

      Curtido por 1 pessoa

  6. Querida Amana,
    Quem de nós não vive aos pedaços?
    Quem não sentem, ao longo da viagem, que alguns pedações foram deixados na estrada?
    Linda poesia, excelente reflexão.
    Beijos
    Paula Giannini

    Curtido por 1 pessoa

  7. O mosaico não é simplesmente um conjunto de tesselas de pedra e vidro que forma um desenho com certa simetria. Na verdade, no poema, é uma agregação, combinação de momentos vividos — uma análise do passado que estrutura o presente, uma ruptura entre o mundo da realidade e o do desejo. A vida é mesmo um quebra-cabeça. A metáfora , uma vez construía , estabeleceu esse plano de leitura para todo o texto.

    Parabéns pela sonoridade, pelo ritmo bem marcado, pelas antíteses de efeito de sentido. Beijos.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada, Fatima! Sabe que uma das minhas brincadeiras preferidas até a adolescência era montar quebra-cabeças? Mas depois a coisa foi ficando mais complicada e juntar pecinhas, cacos, partes, só na vida mesmo…

      Curtir

  8. Tenho chorado depois
    do riso forçado
    .
    Muito forte isso!
    Bastante intenso o poema todo, assim é que a poesia nasce bem, quando a emoção transborda e muitas vezes sao emoções assim, tristes, em cacos..os versos podem ser o rejunte do mosaico.
    Parabéns pelo poema tocante!
    bjs

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Anorkinda! Sabe que uma amiga disse que parece que escrevi esse poema pra ela? Fiquei feliz e triste ao mesmo tempo, porque ela esconde muito bem seus cacos… Mas eu já fui assim também… Ler poesia me anima muito, escrevê-los é uma forma de terapia, sim…. Obrigada!

      Curtir

  9. Bia,

    De quantas partes (cacos) somos feitos? Às vezes mais, às vezes menos despedaçados.
    Mas nunca inteiros: os filhos nos preocupam, a rotina massacra, o trabalho cansa, os boletos chegam, um mal mal-entendido,… muito nos fere e despedaça, mas não do mesmo jeito.
    Juntar nossos cacos é vencer.
    Belíssimo poema.

    Beijos

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Sabrina! Sim, precisamos juntar os cacos, não importa quanto tempo leve. E conseguir fazer isso nos fará um bem enorme! Obrigada! 😉

      Curtir

  10. Primeiro poema que me deixa realmente tocada. Não gosto de poemas e poesias, que geralmente são românticas e sentimentais (menos as de Bukowski rsrs) mas a sua vem da alma, vem desse sentimento cada vez mais presente na vida de todos nós. Bjs ❤

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Vanessa! Muito obrigada pelas palavras, fico feliz que tenha gostado. Alguns caquinhos meus se juntaram agora aqui, rs. Bjs! 😉

      Curtir

  11. Olá, Amana. O kintsugi é a arte japonesa de reparar com ouro objetos quebrados, desse modo, o ouro serve para valorizar o que foi quebrado e rejuntado, para nos mostrar a beleza das cicatrizes. Não há quem não as tenha. Concordo com o que as meninas disseram acima, somos feitos de partes, somos feitos de cacos, há beleza nisso, o saber de rejuntar num novo desenho, num novo padrão. É esse novo desenho que nos firma em pé, em autonomia, em esperança. Talvez por isso, a frase final seja tão doída, a parte mais triste do seu poema-reflexão. A pessoa que não consegue juntar seus cacos para compor um novo mosaico. Obrigada pela reflexão. A última frase foi tocante demais.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Sandra, que linda essa arte japonesa! Vamos buscar esse ouro para rejuntar os cacos… Mas se não der pra ser ouro, que seja com o que for, mas que se juntem. A vida é isso, e é triste quando não se consegue… Obrigada!

      Curtir

  12. Vivemos em um constante balançar, sempre há um contraponto, um sim e um não, um vou-não-vou. Carregamos múltiplos ‘eus’. Eles se contrapõem, entrelaçam, enroscam-se, dissolvem-se, transformam-se. Há uma balança sempre a tentar o equilíbrio, sempre a querer manter-se nivelada, mas existe a fragilidade das linhas, não é? Aquela fragilidade incômoda, que nos parte sempre ao meio, ou em pedaços que, embora tentemos, jamais juntamos os cacos.
    Parabéns pelo poema.
    Beijos e abraços carinhosos.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Evelyn, é verdade! Às vezes parece que o melhor é deixar nossos cacos como estão… Mas vamos seguindo, ao menos na tentativa de dar sentido ao mosaico… Bjs!

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: