Audaces fortuna juvat (Renata Rothstein) – Desafio Contos

(Renata Rothstein, Desafio)

Antes que o despertador tocasse já estava acordado, olhando o teto.

Iniciava aquele dia com ânimo novo. Entusiasmado, até: um misto de ansiedade, euforia… um pouco de medo, talvez.

Havia tempo que cansara das privações, da vida difícil, de trabalhar anos a fio sem reconhecimento ou chance de crescimento, sem retorno.

Aí, a demissão. O desespero. A falta de perspectivas.

O dinheiro dos “bicos”, sempre curto, e a fome, sempre crescente.

Sabia que tirara a sorte grande com a oferta inesperada, e dependia dele, só dele, de mais ninguém, a grande mudança de vida.

Um futuro melhor para os quatro filhos, um descanso para a mulher, já exausta de tanto trabalhar debruçada na máquina de costura.

Planos…

A solução estava em suas mãos e corpo. Resolveu enfrentar.

Tomou um banho. Manteve o jejum, conforme recomendação.

Saiu. Na porta de casa o carro misterioso, que o levaria ao seu novo destino.

Três dias depois, deixava o hospital. Vida resolvida, dinheiro no banco.

Sorria, feliz.

Apenas um rim filtrava seu sangue, agora.

13 comentários em “Audaces fortuna juvat (Renata Rothstein) – Desafio Contos

Adicione o seu

  1. é..o que não se faz pelo dinheiro nosso de cada dia, não é?
    Um conto direto que mostra de forma clara o peso das responsabilidades e as dificuldades deste mundo, enfim.. dá o que pensar e filosofar em cima.. rsrs
    parabéns, baby

    Curtir

  2. Um retrato duro de quem não tem de onde tirar o sustento da família. Penso que sua narrativa direta e seca, embora sem deixar qualquer lacuna à compreensão do texto e à construção da empatia com o personagem foi uma escolha muito acertada. Contribui para o efeito soco no estômago que seu conto provoca. Obrigada por participar, querida. Um beijo grande. E parabéns pelo texto.

    Curtir

  3. Tem dias que a vontade de chutar o balde é grande. Achei corajoso e maluca essa atitude. Não me enquadraria nem na primeira, nem na segunda categoria – coragem e loucura -, mas entendo a urgência desse homem; entendo a angústia, talvez até a raiva. Esse mundo é um ceifador de vidas por si só. Se deixar então… Que diferença faz um rim ou dois, não é mesmo?
    Parabéns pelo texto.
    Beijos e abraços carinhosos.

    Curtir

  4. Oi Renata!
    Que triste essa história, que triste.
    Achei o conto bem escrito, triste desde o início, mas muito triste no momento da revelação.
    A fome é amarela, afinal.
    Me lembrei dessa frase da Carolina Maria de Jesus porque se não me engano quando alguém tem problema de rim, acho que fica amarelado.
    Puxa.

    Beijos

    Curtir

  5. O título do conto traz a locução latina que significa “a fortuna favorece os audaciosos”. Teria sido audácia ou loucura? Eu diria que foi o desespero que levou o personagem a vender um rim. Tirar parte de si mesmo para prover o sustento da família foi a solução repentina.
    A linguagem clara, precisa e direta, favorece o impacto do final. Claro que qualquer pai doaria um rim para salvar um filho, o protagonista vendeu o seu para salvar os quatro filhos da fome. Realidade cruel retratada em um texto curto e impactante. Parabéns!

    Curtir

  6. Oi, Rê, muito boa a forma como foi nos apresentando a história, contando um pouco a cada parágrafo, mostrando o personagem, sua vida, justificando a sua necessidade, o seu desepero, a sua coragem. Um texto claro, bem escrito que vai criando um interesse do leitor com relação ao final, sem disperdiçar palavras, na medida certa. Parabéns.

    Curtir

  7. Poxa! Tenho um amigo fazento transplante de rim hoje; a doadora é a mãe. Bateu em cheio.

    Audácia? Desespero? De qualquer forma, impactante. “O que ninguém nos conta é que a vida é muito mais difícil do que imaginamos, mas nunca é mais do que podemos suportar. Decisões precisam ser tomadas. Algumas fáceis, outras difíceis.

    Parabéns, Renata, pela narrativa inteligente, que nos faz pensar. É um texto muito expressivo, mostrando um lado até melancólico e contrastante. Gostei da ambientação, da dose de suspense e da forma como o conflito foi exposto e explorado de forma bastante poética e crível.

    Um forte abraço.

    Curtir

  8. Querida Renata,

    Me chamou muito a atenção esse modo telegráfico que você escolheu de narrar este conto. Uma frase para cada parágrafo, como o passar das horas, a tomada de decisão.

    Por incrível que pareça, essa sua história é bem mais real que se imagina.

    Parabéns pelo conto.

    Beijos
    Paula Giannini

    Curtir

  9. Gostei da linguagem curta, seca, rasante. Assim como a solução q o protagonista arranjou para seus problemas. Uma solução dura e direta. Muito bom, Renata!

    Curtir

  10. Este literalmente vendeu o rim. Mas esse dinheiro não vai dar para sustentar ele, a esposa e quatro filhos por muito tempo. E agora? Será que valeu à pena largar o emprego entediante? Um pouco de loucura sempre é bom, mas quando acompanhada de bom senso… Bjs ❤

    Curtir

  11. A miséria rouba a esperança, a paz, os planos, a dignidade, e até partes de nós. Muito triste isso tudo. A que ponto se chega para se garantir o pão?

    Vivemos em um mundo onde a maioria esmagadora não tem perspectivas. Acho que para que as coisas funcionem direito é preciso dar mais que um reset no universo, mas refazer a formatação mesmo. Este modelo não está funcionando, o problema e a solução somos nós, mas será que ainda dá tempo?

    Um texto de impacto e um olhar para os desvalidos, os loucos, os solitários. Renata é uma autora que representa em seus textos este mundo invisível que nos recusamos a aceitar, onde os protagonistas não têm voz, nem vez.

    Parabéns, amiga. Este texto é sua marca registrada. Beijos.

    Curtir

  12. Olá, Renata! Você construiu seu texto com a informatividade, um dos 7 pilares que fazem avançar a leitura. Um pouco a cada trecho, no caso, a cada sentença. Doses homeopáticas que vão agregando entendimento da situação que se encontra o protagonista. E quem não se sente conectado a esse trabalhador sofrido e tão ao nosso alcance no dia-a-dia. E a cereja do bolo ao final. O soco, o desfecho, a reflexão, tudo junto. Parabéns!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: