Última palavra (Renata Rothstein)

A palavra última

Silencioso apelo

O sangue rubro

No chão desfolhado

E a primeira vez

Desaba um céu torto

Violada hora e sei

Descortinado o véu

E a última palavra

É vaga, incompleta

Exagero, erro, eu

Uma versão inversa

Morta,  imersa em caos

Vã revolta,  inócua

Maltrata e esmaga

Sibila sem pressa

Olhos no invisível

Ácida chuva azul neon

Caindo sobre restos

São pingos de canivete

Ferindo a pele nua

Colorindo as veias

Contraste nas vias

Gris. Mortas-vivas

Crimes e contratos

Cânticos e castigos

Transborda o nada

Fé fogo festa e fama

Lama. E é hora errada

Onde ainda a vida, finda?

Verto o inverso, despeço

Cenários de areia ao vento

Jazem infinitos em mim

E tudo é nada, o que restou

Perde-se ou não, para sempre (?)

É nunca. Levado pelo vento

Agoniza sem fim, o tempo

Nunca mais será pouco

Tormento – passageiro

(Sonho…)

Levada pelo vento.

11 comentários em “Última palavra (Renata Rothstein)

Adicione o seu

  1. Renata, seu poema combina palavras, significados, expressando diretamente sentimentos, visões pessoais e seus conflitos, de forma intensa e visceral. O vento arrastando a “última palavra”.

    Ao longo dos textos convivemos com versos melancólicos (“Jazem infinitos em mim”- lindo!) e uma linguagem concisa, rica de aliterações, metáforas que lhe trazem beleza e sonoridade.

    A temática, de certa forma, faz referência à trilogia “O Tempo e o Vento”, o clássico de Érico Veríssimo, “O Vento da noite”, de Emily Brontë, “Chão de Vento” de Flora Figueiredo ou mesmo o filme “O Vento Lá Fora” — todos fazem a correlação entre tempo e vento, com muita poesia e emoção.

    Parabéns! Podemos sentir a força das suas palavras, assim como sua suavidade e delicadeza tecendo versos que transformam o cotidiano em matéria sólida, que respira, transpira, se transforma e sente. Beijos carinhosos.

    Curtir

  2. Não sei se entendi. É bonito, é uma linguagem enclausurada, mas decifrável, talvez em várias versões. Para mim, algo morreu. Há sangue, há uma última palavra, há um tom melancólico que permeia toda a poesia. Mas pode não ser de uma pessoa. De um sonho, quem sabe? Um projeto, uma ilusão, algo impalpável mas, como dói! É muito bonito, Renata. Parabéns.

    Curtir

  3. Olá, Renata!
    Confesso que você me surpreendeu com esse poema, belíssimo, por sinal. Essa sua verve poética pulsa em sua essência com talento inato. Os versos trazem uma melancolia. No meu entendimento – e me perdoe se eu estiver errada – é de alguém que agoniza, talvez um pivete que sonhou ter tanto, ou alguém simplesmente que tinha tantos sonhos pela frente, morto por estocadas de canivete e cujo sangue se esvai nas vias cinzentas de uma cidade qualquer. E se sonhou com festa e fama, nada mais importa porque tudo se esvai, o tempo, o tormento e o resto de um cenário de inversos e de revolta. Gostei das metáforas, das aliterações, vc soube subverter a linguagem com maestria. Seu poema me encantou. Devia escrever mais versos, seu eu lírico é comovente. Parabéns!

    Curtir

  4. Texto bom é assim deixa varias interpretações, todas podem estar “erradas” diante da ideia original mas todas estão certas também já que cada leitor tem a sua experiência, por isso repito que texto bom, possibilita várias leituras, todas interessantes.

    Eu fiquei com a impressão que esses são os pensamentos de uma pessoa enquanto é violentada e então pensa:

    “Morta, imersa em caos

    Vã revolta, inócua”

    Depois…

    “Jazem infinitos em mim

    E tudo é nada, o que restou

    Perde-se ou não, para sempre (?)”

    Parabéns!!!

    Curtir

  5. Oi, Renata!
    Seu poema é perturbador, porque não consegui entender todo o significado, mas a ideia geral, o fio que conduz ao final e queria muito ter entendido tudo, mesmo que não haja nada a entender. De qualquer forma é muito bonito! A morte, a perda, o morrer aos poucos, em câmera lenta, tudo tão triste, tão visceral e cru! Intenso e fugaz! Parabéns! 💖😘

    Curtir

  6. Lindo poema; rico em sonoridade, significados, sensações. A cena urbana, a solidão, o vento, o sofrimento… tudo converge para a melancolia. Maravilhoso! Parabéns!

    Curtir

  7. Interpretar poemas é algo bem pessoal. E esse é carregado de significados não muito bons para mim. O que vejo, apesar do movimento, apesar do ritmo pulsante, é agonia, vazio, solidão. Talvez pelo momento que eu esteja vivendo, mas acredito que é bem o poema que escreveu. Um mergulho profundo, uma queda inevitável.
    Parabéns.
    Beijos e abraços carinhosos.

    Curtir

  8. Renata,
    Eu já conheço a tua poética e a interpreto como uma importante forma de catarse.
    Teus versos são gritos contidos, apelos, sintomas.
    A interpretação, desse modo, perde importância para o sentimento que o poema é capaz de trazer ao leitor.
    Continua no caminho da poesia!
    Beijos

    Curtir

  9. Querida Renata,

    Algo morre em nós com a perda das ilusões. O mundo é duro, mas a pena da poeta traz tanta beleza retratando tal aridez.

    Parabéns!

    Feiz 2021.

    Beijos
    Paula Giannini

    Curtir

  10. Um poema muito bom, Renata!
    Forte e com ótimo ritmo. Palavras muito bem escolhidas para um contexto profundo que mexe com as entranhas.
    Parabéns

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: