Toda água – Elisa Ribeiro

Cavaste um poço em mim e dele
embora seco
içaste um óleo que sobre meus olhos-lente
fez brilhar dourada a tarde a meio e pressurosa

E desse poço agora brota o impulso
a dança sinuosa e o salto
a pirueta líquida
a borboleta esguia que evapora

[Inversão antideterminística dos polos
: o que era pouco e frágil e vago
se fez potência
e não sei se o que veio antes é causa ou consequência]

Sob o fio de tua fala duvidosa
vejo ondas retilíneas na natureza caótica
:eu sou essa onda rara; toda água
espuma em cima
derretendo rochas.

14 comentários em “Toda água – Elisa Ribeiro

Adicione o seu

  1. Amei. Já começou muito bem, adorei esta ideia do cavaste um poço em mim. Muito bom o uso da pontuação, que, bem empregada, enriqueceu o poema. E esse final? “eu sou essa onda rara; toda água espuma em cima derretendo rochas”, maravlhoso isso. Parabéns.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada queridíssima pela leitura sempre tão tempestiva. Fico muito feliz que tenha gostado. Sim, a pontuação: dois ponto e colchetes que adoro. Beijos, beijos.

      Curtido por 1 pessoa

  2. Cavaram um poço procurando por toda a água que havia nela? Foi ferida ou olhada profundamente? E longe de ser uma vítima, é água capaz de derreter rochas. É tanta água [emoção] que não sei se me afoguei na tentativa de interpretação. Bela composição. Beijos.

    Curtir

  3. Lindo este poema em que o ambiente criado pelos sentimentos, brinca com os sentimentos já existentes, como se o sentidor tivesse a capacidade de transformar o abstrato em concreto, fazendo nascerem paisagens a partir dos seus sentires *não sei nem se esta palavra existe.

    Querida Elisa que trabalha tão bem com as abstrações produzidas pelo bom uso do idioma, onde, mesmo não decifrando a mensagem contida nas expressões, a gente sente que está diante de algo fino e bem elaborado. Essa sua estada na terrinha tem enriquecido este seu já vasto conhecimento linguístico.

    Parabéns, chuchuzinha. Obrigada pelos comentários tão lindos em meus feitos. Sempre querida e generosa amiga.

    Curtir

    1. Querida, queridíssima Iolandinha, dentre todas, você é a minha Contista mais antiga, e eu tenho por você um afeto primeiro e muito, muito especial. Adoro a sua escrita, você sabe, e espero que vc nunca pare de nos brindar com suas histórias. Obrigada pela sua leitura e seu comentário tão atento e generoso, eu até compreendi mais o meu poema e o sentimento que o gerou através da sua leitura, minha querida, pode acreditar. Gosto imenso de você. Beijos, amada.

      Curtido por 1 pessoa

      1. Que linda declaração de amizade. A recíproca é super verdadeira. Nos conhecemos desde 2015 e até hoje vivemos esta parceria. Muito bom ler algo tão tocante assim logo pela manhã. Melhora o dia da gente por inteiro. Estou passando por esta fase complicada mas acho que a centelha criativa ainda vai brilhar no meu coração. Oremos.

        Curtir

  4. Bem por cima do poço, tocando, libelular, o líquido escoante estão esses versos brilhantes e significativos. É a água lavando a alma. Parabéns, Elisa, pelo poema tão lírico e emocionante. Beijos.!

    Curtir

    1. Obrigada, Evelyn. É um transbordamento mesmo. Rascunhei o poema numa tarde esplêndida – um dia de verão em pleno inverno – que sucedeu uma manhã estranha. Enfim, coisas que só a poesia nos proporciona. Beijos, querida.

      Curtido por 1 pessoa

  5. Elisa, querida,
    Poeta, amiga,
    Maravilhosa.
    “Cavaste um poço em mim”, que coisa mais imagética. Um poema mais que perfeito.
    Parabens por este talento incrível.
    Beijos
    PAula Giannini

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: