Indisposto – Fernanda Caleffi Barbetta

Naquele dia o papai noel acordou indisposto e não haveria problema algum ele não querer sair da cama nem tirar o pijama nem escovar os dentes nem tomar banho nem se trocar nem fazer o desjejum nem se reunir com os ajudantes nem traçar o plano de voo nem almoçar nem fazer um alongamento nem jantar e nem sair para trabalhar se aquele não fosse o dia 24 de dezembro único dia do ano em que ele deveria acordar disposto e sair da cama e tirar o pijama e escovar os dentes e tomar banho e se trocar e fazer desjejum e se reunir com os ajudantes e traçar o plano de voo e almoçar e fazer um alongamento e jantar e sair para trabalhar mas naquele justo dia ele não acordou disposto e a mamãe noel que já tinha pulado da cama cedinho e feito sua yoga pensou que talvez ele se sentisse mais disposto um pouco mais tarde e preparou um chá com bolachas de água e sal que levou na cama mas ele tomou o chá e comeu as bolachas e sujou a cama e nada de se animar então vieram os ajudantes que arrancaram o cobertor que saiu junto com o lençol e que mostrou um papai noel em pijamas de halloween um halloween que já havia passado fazia dois meses e chegaram outros duendes e começaram a reler cartinhas para conferir os presentes e as cartas diziam na maioria meu querido papai noel eu quero uma bicicleta sempre queriam uma bicicleta então a mamãe noel resolveu chamar o médico que chegou meia hora depois porque a neve dificultava a locomoção ele disse tirando a febre do bom velhinho que não parecia nada bom mas que o médico garantiu que estava sem febre e viu a garganta do papai noel segurando a língua com um palito de sorvete sem sorvete o que o papai noel achou muito azar e ouviu o coração que batia ho ho ho e viu dentro dos ouvidos cheios de cera e disse que nada havia sido constatado que justificasse o cancelamento do Natal mas o papai noel resmungou e perguntou com afetação na voz se ele não tinha o direito de acordar um dia um único dia do ano sem disposição e ninguém ousou responder e a mamãe noel disse vou contar até três mas chegou no três que talvez fosse realmente uma contagem muito breve e nada do marido levantar e pegar seu saco que já estava cheio do lado de fora do quarto e ele começou a tossir contrariando o médico que estava mesmo contrariado e os anões que talvez fossem duendes já estavam chamando o sindicato até que a mamãe noel vendo as horas passando e a noite se aproximando foi ficando nervosa e gritou levanta daí homem minha paciência já acabou mas ele bufou e se virou de lado então ela passou a mão no saco do papai noel e desceu as escadas afobada e chegou no quintal e convocou as renas que já tinham se retirado para suas baias e já vestiam seus pijamas de zebra venham suas molengas e elas foram e os duendes anões saíram todos e bateram suas pequenas palminhas porque a mamãe noel já estava com as rédeas nas mãos para salvar o Natal e o papai noel que já não mais tossia olhou para o médico e disse que já era hora de o empoderamento feminino chegar ao polo norte.

8 comentários em “Indisposto – Fernanda Caleffi Barbetta

Adicione o seu

  1. Cara Contista, seu conto é simplesmente genial. Não tem outra palavra para o descrever. É inteligente, moderno, tem humor, tem uma mensagem engajada, sem pontuação, para que o leitor siga o fluxo de uma só fôlego, sem paradas. Enfim, magistral. Parabéns!!!❤

    Curtido por 1 pessoa

  2. O seu texto faz o leitor se deixar levar por uma situação mas tudo não passava de uma farsa bem urdida e com um a intenção relevante e positiva. Achei bacana o caminho que seguiu e mais ainda ser surpreendida no final. Parabéns, querida contista. Parabéns pela tão bela estreia e feliz natal.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Querida Contista,
    Irretocável.
    Um conto perfeito na forma (que me agrada demais), na história e na mensagem que passa.
    Perfeito. Obrigada por brincar conosco com tanta competência e talento.
    Beijos e feliz 2022.
    Paula Giannini

    Curtido por 1 pessoa

  4. Um conto ágil, divertido e muito inteligente. Traduz o clima natalino em tempos de destaque do poder feminino. Por que sempre o homem a tomar as rédeas (seja das renas, seja do mundo)? Texto muito bem estruturado na ausência de pontuação, o que traz um ritmo muito interessante à leitura. Gostei muito, surpreendeu-me com alegria e graça. Parabéns.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Oi, amiga Contista,
    Feliz Ano Novo!!
    Adorei seu conto, a forma, é experimental, é cheio de ritmo, ótimas sacadas, e é, também, uma crítica.
    Maravilhoso!! Parabéns ❤

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: