#Jorge – Evelyn Postali

Depois de #longajornadanoiteadentro, vou #embuscadotempoperdido uma vez procrastinada a segunda-feira. Eu brinco comigo mesmo arrumando os livros na bancada frontal. — Bom dia, Jorge! Deu folga para o barbeador?

A linha tênue – Evelyn Postali

Arrastava a corda pelo chão. Descalça, sequer incomodava-se com a grama espinhenta, a brotar da terra por todos os lados, como lanças esperando pela queda de algum desavisado, estalando ao toque dos pés, crepitando como as labaredas da pequena fogueira a queimar parte da mobília e das roupas. As sombras da noite já mergulhavam sobre… Continuar Lendo →

Os Gigantes – Evelyn Postali

“A gentle creak and a soft ‘whoosh’ as the sails zip past is all you hear when standing close to a windmill.” ~ A.D.¹ Deitado à sombra dos monstros de madeira, revivia a juventude. Parava o tempo, segurando uma das engrenagens. Simples e fácil. A descoberta rendia grandes feitos, desde dar nós nos varais estendidos… Continuar Lendo →

Time Loop – Evelyn Postali

Eu caminho apressado, frenético. Não percebo a largura de minhas passadas, e sim o formato dos seixos a correr debaixo de meus pés. Pedras irregulares a mostrar o desalinho da minha vida, ou daquela que eu tinha. Molhadas da chuva, elas têm um brilho diferente. Anos de fúria e rancor aliviados por Emma com as… Continuar Lendo →

Marialva e os homens pelados – Evelyn Postali

Ninguém sabe precisar bem quando os homens começaram a nascer pelados. Pelados de cabelo, pelados de pelos. Não existia pentelho algum. Uma lisura única. Em todo o corpo. Pernas, axilas, virilha. As mulheres não. As mulheres continuavam com suas belas e longas cabeleiras e mantendo a depilação apenas respeitando suas vontades individuais.

O Pêndulo – Evelyn Postali

Para Lucas, cujo nome nunca ninguém lembrava, não tinha dia de folga. Dia e trabalho eram sinônimos. Todos os dias da semana, todos os meses do ano. Sem férias, nem folgas. Ele vivia todas as horas do dia. Cada minuto, cada segundo de cada dia. Tarefa, não faltava. Era seu pão, sua água. Ele aceitava…. Continuar Lendo →

Dezesseis – Evelyn Postali (desafio)

Ela avistou Murilo, próximo às árvores da pracinha, em cima da moto, como costumava estar nas manhãs de domingo. O coração doente disparou e uma náusea mais forte a fez parar, agarrando o braço do pai. O vestido branco arrastou-se entre as pétalas de rosas brancas a cobrir parte do trecho da calçada e da… Continuar Lendo →

Pulso – Evelyn Postali

Como chegara àquela encruzilhada? Com a arma em punho apontada para Max, ouviu a própria respiração enquanto o pulso tremeu de leve ao experimentar o peso da pistola. Aquele seria o momento propício para romper a linha tênue entre o que já vivera e a estrada desconhecida que se abria adiante? Era assim, num estalo,… Continuar Lendo →

A Arca das Palavras – Evelyn Postali

Terra, Continente do Norte, 2-988. Registro midiático 10950. O objeto foi deixado a mim por alguém conhecido de minha mãe, com indicação expressa: abri-la em meu trigésimo aniversário. Se eu não a estivesse tocando, não acreditaria. Uma arca, assim como todas as arcas da história da humanidade o foram: de madeira envelhecida e cheiro de… Continuar Lendo →

Algarve – Evelyn Postali

(Para Ana Maria Monteiro, minha amiga secreta. Dezembro, 2018) De mansas correntes, e azuis e verdes inesquecíveis, se fazia a paisagem. Ana admirava tudo, parada na beira da praia. Com o olhar fixo no balanço das ondas, voltava a ter quinze anos e o mundo podia ser carregado nos braços outra vez. A água límpida… Continuar Lendo →

A Árvore Que Emoldurava A Lua – Evelyn Postali

Felixiana morava numa casinha no pé do morro da Benedita, beijando o céu, perto do córrego do Boca. Um lugar nada propício para alguém que viajava o mundo nas páginas dos livros juntados no lixão. Livros jogados fora, cujas imagens encantavam e conseguiam movimentar aquela vida mínima quando a roubavam da cama feita de estacas… Continuar Lendo →

Back to home – Evelyn Postali

  Bichinhos de pelúcia. Caixinha de música. Livrinho de histórias. Ela cresce até fazer-se carne e osso, até ganhar altura, até marejar os olhos pela primeira vez. É um choro de vida de contagem regressiva, ali: começo, meio e fim. Dela, não se pode escapar, nem fingir estar em outro lugar, apesar de querer. É… Continuar Lendo →

Promessa – Evelyn Postali

  ooh I need the darkness, the sweetness, the sadness, the weakness, ooh I need this. Need a lullabye, a kiss goodnight, angel, sweet love of my life ooh I need this¹ Irmãos caríssimos, reunimo-nos com alegria para participarmos nesta celebração… Sorrisos em faces serenas. Sorrisos e alegria. Lágrimas caindo dos olhos dos mais emotivos…. Continuar Lendo →

Paredes Silenciosas – Evelyn Postali

“Todas as coisas têm fim. O mal do homem é pensar que pode ser eterno. Só eternizamos momentos.”   Alexandre Melo retornou da DH transtornado. Precisavam esperar pelo escrivão e o mandado. Patrícia Fraga viu o parceiro reclamar o tempo todo. Ela sabia com exatidão o que se passava na cabeça dele. Encontraram a casa… Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑