PRAGA NA VIZINHANÇA (Claudia Roberta Angst)

Adentra esbaforida o hall do prédio, bolsa cruzada no corpo, e sacola escorregando das mãos.    – Ei, ei, segura o elevador pra mim! E ela vem, toda trabalhada na estampa selvagem, batom avolumando beiço já sem máscara, sorriso de quem está acostumada a receber raros nãos. Bufa ao ver a porta do elevador se... Continuar Lendo →

BUTTERFLY ORIGAMI (Claudia Angst)

Aliso meus papéis tentando escolher um. Somente um que me vista de forma adequada para o momento. Há de ser o mais encorpado, o mais resistente, o menos amassado. Flexível feixe de papiro, adornado com delicadas fibras. Minhas fibras, redobradas tentativas de fortaleza.  Sinto a textura do material que não quero mais reciclar. Terá seu... Continuar Lendo →

A TRILHA SONORA DOS NOSSOS DIAS (Claudia Angst)

Ainda não sei se escrevo melhor no silêncio ou ao som de canções inspiradoras. Escrevo o que corre na mente e nem sempre recolho o que escorre. As músicas empurram as palavras, engatilhando-as em frases que caem surpresas no papel. A melodia percorre meus neurônios e assume o controle das emoções a serem deflagradas no... Continuar Lendo →

Lições que o tempo passou a limpo (Claudia Angst)

Minha filha,             Escrevo essa carta antes que eu me esqueça de tudo que achei mais importante para te dizer. Não estou aqui para dar lições de moral, longe de mim perder tempo com ditados e explicações que encontrarão seu destino em uma lixeira qualquer. Apenas, desejo, não como último desejo (esse eu guardo para... Continuar Lendo →

TODAS AS ESTAÇÕES EM MIM (Claudia Roberta Angst)

Quando mostraram o teu coração, eu já estava cega. Ainda assim, insistiram em te explicar em negativas. Mais de uma vez. Centenas de vezes, revelaram um conteúdo vazio, sem interesse algum. As palavras eram de uma precisão possível só a terceiros. Mil faces foram descobertas, checadas, devastadas. Tua vida inteira dissecada sobre uma mesa fria.... Continuar Lendo →

RECONCILIAÇÃO (Claudia Roberta Angst)

Enquanto sinto saudades do acaso, surgem imagens que não pertencem a este momento. Uma reconciliação tardia entre dois que nunca se entenderam como um. Mas a história tem sido escrita indiferente da vontade de ambos. O tempo passa lentamente, e as imagens ficam para sempre congeladas. Não tenho nada além de lembranças, experiências entre medos... Continuar Lendo →

Uma Noite Qualquer – Claudia Roberta Angst

Quase hipnotizada, Marina encostou o nariz na janela. O contato frio despertou-lhe os sentidos já entorpecidos. O ar expelido pela respiração entrecortada embaçou a visão que antes transparecia. Afastou o rosto e tocou o vidro com as pontas dos dedos. Ouviu um sino distante e observou o craquelar do cristal. Vidro transformado em flocos macios,... Continuar Lendo →

ÚLTIMAS ÁGUAS (Claudia Angst)

Era bom ouvir novamente aquele som. O pequeno riacho, a água escorrendo sem pausa, em um ciclo sem fim. Ali, naquele mesmo parque, Carla estivera com a prima muitas vezes. Da infância à juventude, passando por uma turbulenta adolescência, aquele pequeno espaço servira como território secreto.  As duas meninas compartilhavam segredos e se tornaram cúmplices... Continuar Lendo →

ANTES DA CHUVA – Claudia Roberta Angst

Poderia continuar aqui se a história fosse outra. Foram essas as primeiras palavras que ouviu assim que se sentou. Alguém repassava a fala da protagonista com a impaciência de iniciante. Restavam ainda algumas horas antes do primeiro ato. A tensão da estreia dominava elenco e direção. Cansado, após responder as perguntas pouco criativas de uma... Continuar Lendo →

A PÓS ─ Claudia Roberta Angst

Às vezes, tudo o que você quer é um abraço. Um aconchego morno, um acalmar de sentidos, um toque pacificador. Não mais, não menos. Apenas isso: terminar nos braços da morte. Sim, estou falando dela, da famigerada e derradeira passagem nesta vida. Da indesejada das gentes, como diria o poeta. Conheci Marina Morena ainda na adolescência. Rindo... Continuar Lendo →

ENCONTRO MARCADO – (desafio) – Claudia Angst

Observa os gestos, o modo como ele inclina o corpo enquanto acende outro cigarro. Sente uma curiosidade desconcertante por aqueles olhos que desconhecem fronteiras. Ele apenas olha, impaciente, sem conseguir camuflar a voracidade de predador. Olha. Insistentemente, salivando intenções. O xale desliza pelos ombros, descobrindo os seios. A nudez embranquece a cena criada, espalhando pontos... Continuar Lendo →

À ESPERA DELE – desafio – Claudia Angst

Esperava por ele, ansiosa, quase febril. Desejava apenas se acomodar entre os dias. Vigiava as horas fazendo atrito entre os ponteiros. Voltas e voltas de interrogações. Mas sabia que ele viria conforme o prometido.Ela sempre sorria assim que ele se anunciava, logo ao amanhecer ou nos momentos mais tardios. Ele vinha, chegava e se instalava.... Continuar Lendo →

Carpe diem – Claudia Roberta Angst

Que novidade é essa? Todas as janelas estão abertas, mas as portas uma a uma são trancadas. Pessoas isoladas, mentes fechadas, entradas lacradas e bloqueadas. Sinto medo e tristeza. Depois, passa. Como tudo passa, sem deixar aviso ou alternativa. Apenas passa. Clarinha anda de lá para cá, e de cá para todos os outros cantos,... Continuar Lendo →

Verdades Fingidas (C.R.Angst)

Ninguém percebe, mas ela tem um plano. Engana os sentidos para que pareça tudo tranquilo. Camufla as palavras com a delicadeza de um véu esgarçado e sem mais serventia. E ainda assim, ela não quer rasgar a ilusão da felicidade. Ela finge que não se importa, que não regula o calendário com a ausência que... Continuar Lendo →

Páginas: 1 2

SEM TONS – Claudia Angst

Nasceu totalmente desprovida de melanina, como se toda a cor da sua gente tivesse escorrido por um ralo imaginário. As raízes africanas só se revelavam nos traços fortes, nos lábios generosos, sedentos de um calcado a mais de ébano. Nada nela se escurecia, a não ser a rejeição que logo se apresentou como companheira fiel.... Continuar Lendo →

Sem Pecados – Claudia Roberta Angst

Sofro de bondade. Nasci assim, diz minha mãe. Fervorosa devota de Santa Clara, fez de mim um Francisco sem riscos. Não alimento paixões desde os cinco anos de idade. Foi quando descobri que Tia Celina, professora do pré-primário, não podia se casar comigo. Havia outro. A aliança denunciava um marido como meu rival. Mas, não... Continuar Lendo →

ALICE E PLATÃO – Claudia Roberta Angst

Acordou assim, sem perceber direito o dia. Uma névoa bloqueava seus pensamentos. Sonhara novamente com a mesma cena. Sempre a mesma e lenta cena. Despertando suada e quase sem fôlego, encostou-se na cabeceira da cama e recobrou a consciência aos poucos. No sonho, havia marcado o encontro, secreto como deveria e só poderia ser. Desistira... Continuar Lendo →

A Solidão do Vinho – Claudia Roberta Angst

Algumas horas haviam escorregado pela ampulheta antes que Joana escolhesse aquele destino. Parecia-lhe muito pouco tempo, na verdade. Conversa de minutos, palavras estendidas como um tapete surrado pelas chuvas. Melhor teria sido calar, mas quando o silêncio vinha, pesava, condensando a instabilidade das possibilidades. Nada mais mutável do que uma pausa, uma brecha rasgada no... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑