Viagem Arriscada (Grimm) Desafio As Contistas

Naquela época as crianças ainda brincavam na rua. Era costume juntar a molecada para jogar bola sem medo ou preocupação. Mas isso não significava que não havia perigo. Foi em um dia nublado e sem graça que Renata teve a ideia de chamar seu irmão Gabriel para ir de bicicleta à casa de seus avós.... Continuar Lendo →

Culturar (Juliana Calafange)

Cultura popular, oriental e haikai Samba do brasileiro ensandecido e seu forró arretado de doido Cultuando o culturar Pela via do dia-a-dia Que é a rotina ardente não descontente Dos descamisados desnecessariamente úteis Dos yogues urbanos ufanos Dos mestres de rua do mundo da lua Culturar é mistura do barro do morro do choro Da... Continuar Lendo →

pASSADO é pASSADO (Fheluany Nogueira)

    Procurei num dia remoto as paragens da infância. Lá estavam, porém sem vida. Pensei bobamente, como adulta: o tempo é a alma do espaço. Lembrei da moça do poster a olhar para mim o dia todo, intemporal, sem idade, indesgastável. Tão linda... e eu? Ela ocupava o centro do poster, seria o ponto... Continuar Lendo →

Gritos silenciosos – Priscila Pereira

Que noite doida! Que mulher doida! Saí de casa ontem sem expectativa nenhuma de me dar bem e acabo pegando a gata mais intensa que vi ou ouvi falar. Foi tudo tão rápido… boate, álcool, dança… parece que ela me escolheu... e que beijo foi aquele? Caí de quatro por ela na hora. “Sua casa... Continuar Lendo →

Resistência (Renata Rothstein) – desafio

Perdida, outra vez, nesse meio tempo meio descaminho, outra vida, quase morte. Ressurrecta. E era teu, o único e necessário carinho. Permitido, até .E um quase eu, torto, sorri, pisoteando imaginárias nuvens violáceas, um resto triste de sonhos, tão nítido quanto fugaz. É doloroso esperar., ante a desesperança.Ultrapassado, o ultrajante futuro cospe meu nome num... Continuar Lendo →

Em voo – Paula Giannini

Enquanto em queda Livre Não ela Mas o buraco que se lhe abre em boca   A dor é tamanha É tanta Que não ousa gritar que é quase O instante que já   No baque de dentes prontos Momento derradeiro O fundo do asfalto O poço seco por que tanto anseia Meu desafio: Escrever... Continuar Lendo →

Então é Natal! (Amanda Gomez)

1 2 3 4 ... Fechei os olhos, encostei a cabeça no volante e contei mentalmente até dez. Geralmente isso nunca funcionava comigo, mas o que eu poderia fazer? Respirei fundo e chequei as horas no celular, a pontada de tristeza era imediata sempre que olhava pra ele. Um Samsung com o nome de alguma... Continuar Lendo →

Biscoitos de Natal para o Ano Novo (Bia Machado)

Quando ouviu as batidas na porta, foi difícil levantar da cadeira com aquela artrite toda. Resmungou a cada passo, pois também precisava segurar as barbas longas e brancas, para que não tropeçasse nelas. Claro que já estava preparado para o hóspede que chegaria, sabendo que em poucos dias o hóspede seria ele, e não quem... Continuar Lendo →

Feliz Natal – Vanessa Honorato

O primeiro natal sem Artur. Não sabia porque ainda insistia em fazer essa ceia. Não tinha vontade de nada, tampouco convidados. A mesa estava posta como sempre esteve:  abastecida com comida, bebida, enfeites coloridos de vermelho e verde, velas, guirlandas. Para quê? Qual motivo de tanto empenho se ninguém desfrutaria com ela? A taça de... Continuar Lendo →

PAIS NOVOS (Sabrina Dalbelo)

“Odeio vocês”, gritava Lucas. “Odeio vocês”, resmungava Letícia. Os irmãos não tinham ouvidos. Reclamavam da ordem para escovar os dentes, para arrumar a cama, para organizar as próprias coisas, de tudo. Os pais, Renato e Marlene, não sabiam mais o que fazer. Focavam em manter um nível mínimo de paciência para dedicar orientações sobre educação... Continuar Lendo →

Cova de Lama (Iolanda Pinheiro)

Já moça, lembrava do tempo em que o mundo era cinza e a vida flutuava no terreno lodoso de segredos e mentiras. Quando a velha e eu nos enfurnávamos pelas manhãs atrás das covas onde os caranguejos sonhavam. Do braço de minha vó enfiado até o ombro no berço de terra mole, os dedos procurando... Continuar Lendo →

Cravos Vermelhos (Renata Rothstein)

Desço do táxi, estendo duas notas amarrotadas ao motorista, balançando a cabeça em agradecimento.O taxista diz que as notas não valem mais, olha para mim com dó, me devolve o dinheiro, e segue seu caminho.Respiro fundo o ar frio do fim de tarde, o que me custa uma dor violenta aos pulmões doentes. Continuo tossindo... Continuar Lendo →

CONTO DE OUTRO NATAL – C.R.Angst

Mais um Natal. O mesmo Natal? Procuro em vão por novidades a minha volta.  A árvore parece cada vez mais mirrada, exilada no canto da sala. As luzes, com seu pisca-pisca irritante, que na infância pareciam estrelas cadentes, agora se revelam meros vagalumes decadentes. No chão, o vazio de promessas. Limpo, quase reluzente. Reajo ao... Continuar Lendo →

Um presente especial – Priscila Pereira

− Mamãe, a gente pode comprar um shortinho novo pra Letícia? −Minha filha disse enquanto tomava leite e comia bolachas de chocolate no café da tarde. − Pra Letícia? Ué, por quê? − Respondi admirada. − Porque lá na escola ela pediu na cartinha para o Papai Noel um shortinho novo, é que o dela... Continuar Lendo →

Somos Esquisitos Juntos (Fheluany Nogueira)

Somos Esquisitos Juntos     Hoje é o último dia de aula. Isso significa que estou oficialmente de férias. É difícil acreditar que as festas estão chegando. Tudo acontece tão absurdamente depressa que não há jeito possível de se preparar para a velocidade. Estamos prontos? Não estamos prontos... Todo mundo está querendo afirmar que é... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑