De vento, farinha e água – de Paula Giannini

Primeiro movimento Depois O senhor pode se sentar... É assim que eu vou falar... O senhor fique à vontade que aqui a casa é simples, mas é um coração de mãe. Não... Ele vai perguntar cadê a mãe. Mãe? Cadê? Todo o santo dia as gêmeas me perguntam. Cadê a mãe? E eu sei? Não... Continuar Lendo →

Gênese – de Paula Giannini e Amauri Ernani

10... Silêncio. 9... Naquele ano não haveria fogos, tampouco explosões. 8... Cachorros dormiam tranquilos e crianças corriam entre os adultos com balões de Led em formato de coração...  7... 6... 5... No céu, projeções em laser. Paz, amor, solidariedade, esperança. E saúde, a palavra que todos desejavam. Por que ninguém pensara nisso antes? Uma dança... Continuar Lendo →

Infecção A Cura – Paula Giannini

Infecção A Cura Avast, Norton, Windows, malware, antivírus. Defender. A palavra funcionava nas duas línguas. Defender. E vírus também. Blindou o celular. Serviço completo. Agora era passar álcool em gel, colocar capa no aparelho. E em si. Capa, máscara, luvas, tudo o que tinha direito. Desinfetar. Limpar. Higienizar. Sanitizar. Era assim que se dizia no... Continuar Lendo →

O Vendedor – Para Inspirar – Terê Oliva

Uma beleza de estampilha antiga amolda o rosto do jovem que dobra camisas Na loja decadente da rua de baixo. Ele dissolve-se nas prateleiras abarrotadas de roupas masculinas de mau gosto. Sua face de esculturais traços é desumana. O humano é imperfeito, não comporta o êxtase que esse olhar azul instiga. Nem os pelos da... Continuar Lendo →

E da Cuia – Desafio – Paula Giannini

Esperou pela outra, o olho grudado na fechadura. Sabia bem o que havia. Eram amigas. Confidentes. Conhecia da fulana cada desejo, cada deslize, segredos ditos entre risos, e os não ditos confessados em madrugadas de conversas ao celular. Aos sussurros. Aos risos. Eram amigas. Eram. Não mais. Talvez sim. Quem sabe agora, mais que nunca.... Continuar Lendo →

Vadia – desafio – Paula Giannini

Vadia Vomitou assim, sem nem ao menos olhar seus olhos. A moral. Amoral. Vadia é coisa de cadela bandeando feliz ao sol de meio dia. Vadia é coisa de rabo, balançando livre a fim de se livrar das moscas. E dos parasitas. Tão pequenos... Os ovos de varejeiras a eclodir. As larvas prontas a devorar... Continuar Lendo →

Sopa de Fruta pão – Paula Giannini

Ingredientes 1 fruta pão madura 100 g de linguiça calabresa 3 colheres de azeite 5 dentes de alho - 1 cebola média Salsinha e sal a gosto De seus olhos vertiam mares. Não à toa. Era preciso cortar a cebola miúda, algo que aprendera com a mãe, ainda em menina, e que agora, aos poucos,... Continuar Lendo →

Para Inspirar – Novo Vírus – Tatiana Portela

Novo Vírus Tatiana Portella Abraçar uns aos outros era a ordem. Naquele dia todos os costumes eram os mesmos. Uns tomaram banho, outros só lavaram os olhos e escovaram os dentes e pentearam os cabelos. E foram comer. Alguns encontraram com outros moradores da casa. Havia pessoas na casa. Filhos, esposas, maridos, pais, mães e... Continuar Lendo →

De vidro – Paula Giannini

Que o mundo não era chato, era tudo o que queria provar. E iria. Custasse o que custasse. Levasse o tempo que levasse. Ora, não era plano... Não só. Por que é que os outros insistiam naquela história? Não havia razão para discordar, diziam. Bastava olhar para cima, para os lados, e pronto, lá estava... Continuar Lendo →

Hamster – Paula Giannini

Tic. Às quatro-e-trinta começa o giro. Roda-gigante, roda-da-vida, um olho no sonho, o outro na tela, enquanto brilho do relógio arrebenta lhe a retina. Bom-dia. Mau-dia. Não há outro jeito. Não para você. Que se a noite é curta, seu tempo é ainda menor. No quarto ao lado as crianças dormem, graças a Deus que... Continuar Lendo →

Distâncias – Carola Saavedra – Para Inspirar

(Publicado no jornal O Globo 2008) Eu sempre sabia quando ela chegava, não porque ela tivesse horários fixos, mas pelo barulho dos sapatos. Os saltos dos sapatos eram um latejar lento e contínuo a percorrer degraus, lances de escada, a escada que se estendia em estreitas curvas pelo interior do prédio. Enquanto isso, sentado à... Continuar Lendo →

Ovos Nevados – Paula Giannini

Ingredientes 1 litro de leite integral 6 claras 6 gemas 12 colheres (sopa) de açúcar (cheias) 3 gotas de essência de baunilha Raspas de casca de limão Uma pitada de Flor de Sal   Modo de preparo Claras Bateu as claras com força. Toda a força que aqueles braços finicos, como o marido costumava brincar... Continuar Lendo →

(A)Outra – Paula Giannini

Bateu a porta. Finalmente em casa, arrancava tudo: roupas, sapatos, meia-calça, cinta, calcinha, sutiã, aquele aplique patético para deixar os cabelos compridos. Os cílios. Os malditos e borrados cílios postiços, ensopados de suor, grudando nos dedos a gosma negra da cola. Maldito verão. Melhor ligar logo a porcaria do ventilador. Não dava. Onde enfiara, pela... Continuar Lendo →

Óviro – Paula Giannini

Quando estava só era tudo cinza, retrato sem graça, desses que a gente vê quando abre uma revistinha daquelas fininhas, que vêm dentro de saquinho, acompanhadas de uma pequena caixa de lápis de cor. Tudo cinza. Tudo sem cor. A menina abria a janela, e lá estava o sol, desenhado em um riscado com seu... Continuar Lendo →

Musa – Paula Giannini

Existe uma teoria que suspeita o universo como uma bolha. Não o meu, não apenas, mas todos. Sim, outros, pois que para esta suposição, há tantos mundos no cosmos quanto bolhas em uma garrafa de espumante. Para ela, a tal teoria, meu universo, nada mais é que uma destas incomensuráveis e frágeis bolinhas, vagando errática,... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑