Sandra Godinho

Sandra Godinho Gonçalves, sob o pseudônimo de Sandra Werneck, é natural de São Paulo, mas vive atualmente em Manaus. É professora de inglês formada em Letras, Mestre em Letras em Estudos da Linguagem, e envereda agora pela seara literária, tecendo palavras, lançando outro olhar à realidade, dando voz aos sem voz. Participou de várias coletâneas e antologias de contos, alguns premiados. Seu primeiro livro é O Poder da Fé, um romance que chama a atenção para o manuseio da fé e o surgimento indiscriminado de igrejas com objetivos espúrios. O segundo livro a ser lançado em breve, Olho a Olho com a Medusa, é uma coletânea de contos que trata de tabus em nossa sociedade.

Autorretrato

Falar de si demonstrou ser um exercício árduo, como desnudar-se diante de pessoas com as quais não se tem ainda a intimidade desejada. Mas diante de relatos tão singelos e verdadeiros, não podia furtar-me a ele. O que melhor me define (desde que me entendo por gente) é a busca incessante, ao nível pessoal ou profissional. Então começo por esse viés.

Em busca da beleza, lancei-me inicialmente ao desenho. Ingressei adolescente na faculdade de Arquitetura da USP, que me deu o entendimento da arte, do equilíbrio entre espaços, da harmonia das cores e luzes. Não cheguei a terminar o curso.

Em busca do amor, lancei-me à construção de uma família. Marido e três filhos maravilhosos que me foram dados por Deus e que enriqueceram minha vivência e entendimento das coisas. Ciclos se iniciaram e se fecharam, chegamos e saímos de cidades, laços foram feitos e desfeitos, até finalmente morar em Manaus, no extremo do país.

Em busca de conhecimento, estudei línguas. Formei-me professora de inglês, flertando também com o francês, por ter vivido um curto período de tempo em Caen, na Normandia francesa. Tornei-me Mestre em Letras, com foco em Estudos da Linguagem, pesquisando o vocabulário de migrantes no interior do Amazonas e sua variação quando eles se mudam para a capital. Foi quando ouvi suas estórias, suas (des)esperanças, suas vozes que não mais me abandonaram. Encantada, sucumbi à magia da região e às vozes que formam o povo amazônico.

Em busca de um outro olhar, lancei-me à escrita. Um processo solitário, mas libertador, onde se pode proporcionar uma experiência emocional gratificante, não só ao leitor, mas também ao autor. A ficção proporciona divertimento, mas também denuncia injustiças, fala do bem e do mal, pobres e ricos, brancos e pretos. A literatura é democrática e, para exercê-la, conto com o apoio incondicional de marido e filhos.

Em busca de aprimoramento, ingresso com as amigas nessa jornada. É com grande expectativa que abraço nosso recanto me deleitando com tantas estórias, com tantos mundos diferentes, com tantas experiências que se complementam. Que nosso blog só venha a agregar.

Contos da autora no blog:

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: