O Ódio Que Nos Une – Giselle Fiorini Bohn

- Oi! - Oi, gente! - Fala, galera! - Vocês estão me ouvindo? - Sim! - Não? É que você está mudo! Tem que apertar o... isso, agora, sim! - Bom, estamos todos aqui, então vou direto ao assunto. Eu venho pensando muito ultimamente, e sei que este grupo foi criado porque nós todos aqui... Continuar Lendo →

Experimento poético 2 – Paula Giannini

a parte que te morde é a que sangra                                     tão doce eu lamberia fosse outro qual anjo em um altar que não consagra  deslizo inocente em asco lodo se a rua que castiga é chuva e açoite quisera em um vislumbre eu compreender que Deus criou a fera desta noite? que giro aponta a roda... Continuar Lendo →

JARDIM – Juliana Calafange

Do telhado do edifício mais alto, eu olhava para o jardim de petúnias lá embaixo. O ar estava pesado, nem parecia primavera. Me sentia feliz, mas o termômetro e o barômetro confirmavam que as coisas estavam bem acima do normal. Puxei a Rolleiflex para fotografar o derradeiro frescor da vida, mas antes que eu pudesse... Continuar Lendo →

A TRILHA SONORA DOS NOSSOS DIAS (Claudia Angst)

Ainda não sei se escrevo melhor no silêncio ou ao som de canções inspiradoras. Escrevo o que corre na mente e nem sempre recolho o que escorre. As músicas empurram as palavras, engatilhando-as em frases que caem surpresas no papel. A melodia percorre meus neurônios e assume o controle das emoções a serem deflagradas no... Continuar Lendo →

Os 10 vencedores do Concurso Rapidinhas

Confira os dez microcontos vencedores do Concurso Rapidinhas As Contistas, realizado no mês de maio. Parabéns aos campeões!!! CampeãoLuciana MerleyCarros revirados e trilhos sobre os homens em meio aos blocos de construção. Ao lado, meu filho movia o tórax levemente. Tomei-o nos braços, beijei-o, orei ao seu ouvido e puxei a cobertinha do Spiderman até... Continuar Lendo →

A ladra em mim – (Fheluany Nogueira)

Meus olhos descreveram círculos e varreram as paredes, até que pousaram no Jesus da folhinha a me vigiar o dia todo, intemporal, indesgastável. Eu não tinha o corpo fixado na eternidade como ele; eu envelhecia. Na comparação, esqueci que a folhinha era para ser usada como calendário, ver as datas. Esta finalidade havia se perdido...... Continuar Lendo →

O Velho – Fernanda Caleffi Barbetta

(Fabíola vai até a cozinha, onde a mãe lava a louça) Fabíola – O que o Tião queria a essa hora?Mãe – Tião?Fabíola – É. Ele não tava na sala com o pai?Mãe – Era o velho. (Fabíola senta-se à mesa) Fabíola – Que velho?Mãe – Parece que encontraram um corpo.Fabíola – Corpo, que corpo?Mãe... Continuar Lendo →

Aceitação – Giselle Fiorini Bohn

–  Eu vou te contar uma estória. Não existe? Não sabia. Bom, então tudo bem, vai ser uma história com h. Ah, não é verdade, não, é só uma historinha mesmo.  Era uma vez uma mulher, que sempre chorava. Chorava porque amava um homem, e amava tanto, e precisava tanto dele. E chorava e sofria,... Continuar Lendo →

Petit – Iolandinha Pinheiro

Uma homenagem ao meu bebê, que DEUS levou tão cedo para o céu dos cachorrinhos. Vou te amar eternamente, meu Petit. Perdoa a mamãe por não ter conseguido te salvar. Petit morreu em 04 de setembro de 2017, mas não tem um só dia em minha vida que eu deixe de pensar nele. PETIT Foi... Continuar Lendo →

Meninas e lobos – Elisa Ribeiro

Quatro da manhã em ponto, o instante em que os espíritos voltavam aos corpos, riu de sua própria desgraça.  O cheiro nauseante a despertara, os olhos muito abertos, não voltaria a dormir, nem adiantava continuar deitada. O cheiro era uma alucinação olfativa, pesadelo recursivo, sem imagens, já estava acostumada. Sempre vinha acompanhado do ranger fantasmático... Continuar Lendo →

Delírio – Evelyn Postali

“Que pode uma criatura senão Entre criaturas amar” Amar o ser deitado ao lado E, no silêncio da madrugada, A rua inteira acordar? Voltando para casa do turno da noite, Mauro pensava em Jussara e no filho pequeno. Àquelas horas, estavam dormindo na casa mais humilde da rua, um puxado de uma água, do lado... Continuar Lendo →

Lições que o tempo passou a limpo (Claudia Angst)

Minha filha,             Escrevo essa carta antes que eu me esqueça de tudo que achei mais importante para te dizer. Não estou aqui para dar lições de moral, longe de mim perder tempo com ditados e explicações que encontrarão seu destino em uma lixeira qualquer. Apenas, desejo, não como último desejo (esse eu guardo para... Continuar Lendo →

Aninha e a fadinha – (Maria Santino)

No grande pátio da escola as crianças esperavam pela chegada dos pais, correndo de lá para cá em uma algazarra feliz que enchia o lugar de alegria. As férias de verão haviam chegado e aquele era o último dia de aula. Aninha não brincava com os outros, pois, naquele momento, algo roubava toda sua atenção.... Continuar Lendo →

Névoa – Iolandinha Pinheiro

Névoa "Chamamos de agente teratogênico tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais (restrição de crescimento, por exemplo), ou ainda distúrbios neuro-comportamentais, como retardo mental" __________________________________________________________ Emília acordou cedo naquele dia, mas não foi trabalhar. Olhou para... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑