O último incenso – Priscila Pereira

Aquela janela alegra os meus instantes desde que vim para cá. É meu único contato com o mundo lá fora. Passo quase o dia todo sentada de frente para ela, recebendo a vitamina D nos dias de sol e, mesmo quando o sol não brilha para mim, recebo a vitamina N de novidade, que faz... Continuar Lendo →

Aninha e a fadinha – (Maria Santino)

No grande pátio da escola as crianças esperavam pela chegada dos pais, correndo de lá para cá em uma algazarra feliz que enchia o lugar de alegria. As férias de verão haviam chegado e aquele era o último dia de aula. Aninha não brincava com os outros, pois, naquele momento, algo roubava toda sua atenção.... Continuar Lendo →

Névoa – Iolandinha Pinheiro

Névoa "Chamamos de agente teratogênico tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais (restrição de crescimento, por exemplo), ou ainda distúrbios neuro-comportamentais, como retardo mental" __________________________________________________________ Emília acordou cedo naquele dia, mas não foi trabalhar. Olhou para... Continuar Lendo →

Satélite – Giselle Fiorini Bohn

- Eu gostaria que a senhora falasse sobre o aspecto premonitório da literatura. Esse é um assunto interessantíssimo. Tantas coisas foram previstas pela ficção. Posso, como exemplo, citar Sinclair Lewis em 1935 descrevendo a ascensão de um populista idêntico a Trump, ou, aqui mais perto de nós, o Brasil distópico das obras de Inácio de... Continuar Lendo →

Probleminha – Amana

Um gosto um tanto mórbido pela Matemática. Vivia entre números, racionais e irracionais. Apoteose? Não, sambar mesmo era na hipotenusa. A máscara da Bháskara sempre lhe coubera bem. Os ângulos? Para os agudos nada, para os rasos, quase tudo. Quase, dependia do grau de interesse. A menina nutria um amor tangente (ou pungente?) pelo professor... Continuar Lendo →

Mea Culpa (Renata Rothstein)

O sino da igreja deu as seis badaladas. Acordei e levantei, já era hora.Calcei minhas pesadas botas de couro. Gastas, de um preto acinzentado pelo tempo: chuva, geada, terra e a água do rio, que diuturnamente corroíam aquelas que diga-se de passagem, eram minhas únicas companhias nos últimos tempos.Olhei para o velho fogão de ferro... Continuar Lendo →

TODAS AS ESTAÇÕES EM MIM (Claudia Roberta Angst)

Quando mostraram o teu coração, eu já estava cega. Ainda assim, insistiram em te explicar em negativas. Mais de uma vez. Centenas de vezes, revelaram um conteúdo vazio, sem interesse algum. As palavras eram de uma precisão possível só a terceiros. Mil faces foram descobertas, checadas, devastadas. Tua vida inteira dissecada sobre uma mesa fria.... Continuar Lendo →

Quem quer? (Vanessa Honorato)

O sol brilhava forte no interior amazonense. A camisa de Jandir estava molhada nas costas e axilas, sinal de um longo dia de trabalho capinando entre as becas da pequena lavoura de mandioca, de onde tirava o sustento de sua família. Jandir pegou o cantil pendurado na lateral de seu corpo e sorveu um gole... Continuar Lendo →

Lua Cheia (Renata Rothstein)

1851 Naquele outono de 1851, Samira e Tobias casaram-se às escondidas, tendo como testemunhas o céu, as estrelas e a lua. Amavam-se de verdade, corpo e alma, desde o primeiro instante em que se viram. Tobias Feijó era um forasteiro, viera dos lados do sul para fazer a vida em Santana de Matapi. Samira era... Continuar Lendo →

Vidro (Amana)

Abraçou o irmão, abraçou o pai. A mãe garantiu: haveria outras vezes, sempre que quisesse. A menina entrou no carro se agarrando a essa promessa. Do banco do carro acenou, sensação de algo se partindo, e não era o vidro da janela. Talvez um frágil bibelô. Homem e menino então foram sumindo, mais e mais... Continuar Lendo →

Sopa Paraguaia – Paula Giannini

Ingredientes 2/3 de copo (250 ml) de óleo  2 Cebolas médias em fatias finas  2 Ovos levemente batidos  500 ml de leite  250 g de Flocão de Milho  Colher rasa (de sopa) de fermento em pó  Xícaras de queijo picado em cubos (minas ou meia cura)   Queijo ralado (parmesão)  Sal e pimenta do reino a... Continuar Lendo →

Encarnado – Elisa Ribeiro

O espelho trincou do nada. Trinta anos pendurado na parede, trinta e um precisamente, desde que se instalara naquele sala e dois quartos. Não acreditava em maus presságios. Olhos exagerados, rugas e sarda apagadas, polvilhou no rosto o pó translúcido, última etapa da maquiagem; o batom, só na hora de sair de casa. A flacidez... Continuar Lendo →

Café com canela – de Paula Giannini

Ingredientes1 colher (chá) canela1 xícara de açúcar demerara  Café Era cor de ouro. O céu de fim de tarde lambendo as mesas, o silêncio momentâneo do mundo às seis prometendo algo que há tempos desconhecia. Alento. Paz. Um algo qualquer que calasse aquela mão que se enfiara em seu peito e que se fechara crispando... Continuar Lendo →

#Jorge – Evelyn Postali

Depois de #longajornadanoiteadentro, vou #embuscadotempoperdido uma vez procrastinada a segunda-feira. Eu brinco comigo mesmo arrumando os livros na bancada frontal. — Bom dia, Jorge! Deu folga para o barbeador? Meu patrão, não é dos piores. Também não é de ficar #esperandoGodot. Quer as prateleiras todas organizadas, já que os sonhos depositados no seu insuportável e... Continuar Lendo →

Quem realmente é você? (Vanessa Honorato)

Era uma manhã de domingo bem chata e por isso Rafael resolveu visitar seu amigo. Não que fosse o único motivo da visita, não era só por tédio, mas havia muito tempo que não via Estevão. Eram amigos desde a faculdade e o tempo corrido estava afastando-os. Tomou banho, colocou uma roupa leve para enfrentar... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑