Angústia – Iolandinha Pinheiro

Sentada no corredor do hospital Helena aguardava. A cadeira era do tipo que fica enganchada em um eixo metálico junto com outras igualmente desconfortáveis. De frente para ela uma sala de exame. Do lado de dentro uma pessoa inerte, alheia a tudo, mergulhava em seu misterioso mundo mágico. ________________________________ Foi por causa da escola que... Continuar Lendo →

A Lição II – Sandra Godinho

Claro que uma fatalidade podia ser vista sob mais de uma luz. Não fosse ter perdido o torneio de futebol naquele dia nunca teria enfrentado a vida como devia de ser. Evidente que não havia sido talhado para o esporte, por causa da gordura e da falta de ar, mas eu me esforçava. Sempre me... Continuar Lendo →

Pão do Céu – Paula Giannini

Ingredientes   1 Xícara (chá) de leite 1 Lata de leite condensado 200 Gramas de açúcar Pão para rabanada, fatiado 3 Ovos 2 Colheres (sopa) de canela em pó Óleo para fritar — Quando crescer... — Eu explicava. — Quero ser chefe de cozinha. — Como vira no restaurante em que jantamos naquele Natal. Meu... Continuar Lendo →

Estranha Sensação – Vanessa Honorato

À meia-noite Henrique acordou com o badalo do sino da antiga Igreja que ficava perto de sua casa. Virou para o canto e tentou dormir. Ouviu um barulho vindo do andar de baixo, levantou-se e foi à cozinha, onde encontrou a torneira da pia aberta e a água escorrendo abundante. "Devo ter esquecido de fechá-la".... Continuar Lendo →

Lá vem a Ventania – Renata Rothstein

E lá vem a ventania Venta como ela quer De onde veio? não sei Sussurrou que lá de longe... Será que do pólo norte? Sei lá eu onde isso fica! Veio assim, não sei de onde Carregando gente bem forte Danada a tal de ventania Carrega o que ela quiser Carrega caminhão carrega barco Carrega... Continuar Lendo →

Fome de Amélia – Juliana Calafange

  Ela era magra, magra, magra, de marré marré marré. Era assim desde menina, o vento vai te levar, de tão magra, vara verde! Ninguém sabia como doía. Por dentro era Amélia, generosa e doce Amélia, que ninguém gostava, que ninguém sabia. Desde que os pais morreram emagreceu e ninguém mais gostou dela. Na escola,... Continuar Lendo →

Mudam-se os tempos – Ana Maria Monteiro

Sucedeu há uns anos. Vem-me hoje à memória a propósito do dia da mulher. É, no entanto, uma associação de ideias algo estranha. Mas conto a história na mesma. Depois de uma longa estada em Madrid, onde estivera destacado por uns meses, regressava a casa, comodamente instalado num desses compartimentos de que, à época, estavam... Continuar Lendo →

Vida natural – Anorkinda Neide

  À mesa, os moradores da casa e a visitante. As conversas banais habituais também sentaram-se e acomodaram-se entre uma garfada e outra. Apenas a visitante parecia escolher palavras enquanto mordiscava a tenra salada. Enfim, ela saiu... a pergunta engasgada: - Vocês não sentem pena do animalzinho que estão comendo? As reações foram diversas... Fabinho,... Continuar Lendo →

A Ghost-writer – Sandra Godinho

(Inspirada por Catarina Cunha) Segunda-feira, 31 de julho de 2017, 9:47hs ...Ele me agarrou pelo quadril e me puxou para perto de si, encaixando suas pernas entre as minhas coxas. Pude sentir seu hálito quente, seu perfume almiscarado, sua barba rala roçando meu rosto. Enfiei meus dedos por seus cabelos e o puxei para perto... Continuar Lendo →

Ossos Largos – Paula Giannini

(de Paula Giannini) —  Essa menina nasceu com os ossos largos. A mãe alardeava às amigas, para o desespero de Amanda. O parto, normal, durara 12 horas de inominável agonia. Dona Tilda era uma heroína, com direito a aplausos e piadinhas sobre a menina que nascera com 6 quilos e 900 gramas. — Quase um recorde. —... Continuar Lendo →

Fortuna – Maria Santino

Faltava um quarto de hora pro meio dia, o sol ardia no firmamento, e Zezé na barraca de peixe, brincalhão e bondoso que só ele, cedia duas tainhas para o preto velho e coxo que ninguém queria perto. — Cabra besta! Ond’é que já se viu? Assim tu num lucra! Dizia o verdureiro avarento ao... Continuar Lendo →

Corra, Alícia, corra – Fheluany Nogueira

Amanhã o espaço, não o tempo. Nutrirei meu corpo mais velho, com novas comidas, da roupa limparei o pó de cada dia, a mesma sede nos olhos, mais força. Em vão cansarei o corpo — andar, correr, dançar serão veículos de minha vibração, razão de meu pão. Existir por inteiro, ser capaz de atravessar o... Continuar Lendo →

A Vida Sem Dora – Iolandinha Pinheiro

A primeira mulher que amei na vida se chamava Dora. Era minha vizinha e melhor amiga. Fazíamos tudo juntos, estávamos sempre na casa um do outro, e tínhamos uma vida feliz e perfeita até que meu mundo se precipitou e a perdi para sempre. Era o início dos anos oitenta. Morávamos numa vila na área... Continuar Lendo →

Tio Chico – Claudia Roberta Angst

Chamava-se Francisco. Como o santo, como o papa, como o rio. Não carregava alcunha alguma. Seus olhos cinzentos confundiam-se com o céu coberto daquela tarde. Se alguém prestasse atenção, notaria neles o tormento de uma tempestade em formação. Francisco nunca sorria. Achava desperdício mostrar os dentes. Mesmo porque alguns deles já lhe faltavam pelo gastar... Continuar Lendo →

A caçada – Sandra Godinho

  Tempo fechando. Sol sem rasgar nuvem, chuva branca arriando no céu. Diacho de inverno trazendo desgraça, dificultando peixe. Família minguando de bucho vazio, só na farinha com água. As águas invadindo as terras, os bichos fugindo pros igapós, os peixes sem morder anzol. Ariscos, homens e animais na terra disconforme. Mais um avanço do... Continuar Lendo →

História de amor – Ana Maria Monteiro

Daniel era um rapaz em torno de quem as raparigas volteavam como borboletas entontecidas. O caso não era para menos, nem de admirar: filho do homem mais rico lá da terra (embora esse pai tivesse um passado algo obscuro que ninguém questionava por razões óbvias), ele era o “homem perfeito”. Logo a começar, pela vasta... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑