O quadro – Elisa Ribeiro (desafio)

Instalou-se bem cedo em um banco no meio da praça: cavalete, pincéis, tela e tintas. Luz e ângulo perfeitos, pôs-se a pintar: o céu, os passantes, os automóveis, os edifícios. Logo, alguns suspenderam a pressa da segunda-feira lenta para assistir-lhe o manejo dos pincéis, a forma como misturava as cores sobre a tela transformando em... Continuar Lendo →

Luana chorou – (desafio) – Anorkinda

Luana estava exausta. - O que foi, baby? Luana ficou em silêncio. - Conte o que aconteceu. Luana deixou uma lágrima escorrer. - Você não vai querer que eu imagine, né? Posso passar a noite toda levantando suposições. Luana escondeu o rosto entre as mãos e chorou de soluçar. - Ahh… Meu bem! Venha cá,... Continuar Lendo →

Pas de quatre – Elisa Ribeiro (desafio)

Tomava café e fumava na janela de seu apartamento no oitavo quando a avistou no térreo do prédio em frente. Dançava, um vestido branco transparente e esvoaçante usando nada por baixo, imaginou, já sentindo os nervos involuntariamente se tensionarem. Nunca a notara antes, seria neta da velha horrenda que ali morava? Portava algo entre os... Continuar Lendo →

Marília viveu – (desafio) – Anorkinda

-Ela viveu perseguindo sonhos. -Mas, por quê? -Era seu destino. "Marília soube o que era viver plenamente. Não foram aventuras cinematográficas nem holofotes de redes sociais, a vida plena de Marília se resumiu em viver. Ela sonhou em ser bailarina e foi. Desejou apresentar-se no Municipal e conseguiu chegar lá. Ela quis passar uns tempos... Continuar Lendo →

PINK – Ju Calafange (desafio)

Lembro sempre de você, estrelinha Pink! Seus olhos amendoados, o sorriso farto e sincero, rasgando a boca, mostrando os dentes sem vergonha nenhuma. Nos conhecemos no mais improvável dos momentos – um fim de festa – eu com frio e você com sono. Eu com raiva, cansaço, impaciência e você com amor. Demorei um pouco,... Continuar Lendo →

Dezesseis – Evelyn Postali (desafio)

Ela avistou Murilo, próximo às árvores da pracinha, em cima da moto, como costumava estar nas manhãs de domingo. O coração doente disparou e uma náusea mais forte a fez parar, agarrando o braço do pai. O vestido branco arrastou-se entre as pétalas de rosas brancas a cobrir parte do trecho da calçada e da... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑