Vingança e paixão – Capitulo 1 – Priscila Pereira

A primeira coisa que Júlia viu, ao entrar na igreja de braço dado com o pai, foi a cabeleira ruiva de seu futuro marido. Agradeceu pelo véu que cobria seu rosto e ocultava sua expressão de surpresa. Via o patriarca espiando, tentando descobrir o que pensava. “Como ele pôde escolher um homem ruivo?”, quase deixou... Continuar Lendo →

Segredos na casa da árvore – Priscila Pereira

Era a primeira vez que Getúlio almoçava fora de casa. Era aniversário da Laurinha. Ele não sabia que a menina o considerava um de seus amigos, nunca haviam conversado. Na verdade, não conversava com ninguém. Sempre ficava na última carteira, fazia os deveres, prestava atenção nas aulas e aprendia tudo o que podia. Os colegas... Continuar Lendo →

Um presente especial – Priscila Pereira

− Mamãe, a gente pode comprar um shortinho novo pra Letícia? −Minha filha disse enquanto tomava leite e comia bolachas de chocolate no café da tarde. − Pra Letícia? Ué, por quê? − Respondi admirada. − Porque lá na escola ela pediu na cartinha para o Papai Noel um shortinho novo, é que o dela... Continuar Lendo →

Recomeço – Priscila Pereira

Chovia pela segunda semana seguida, impedindo qualquer excursão ao ar livre para inspirar mais uma tela, fazia quase um mês que não pintava, tempo demais. Olhando pela janela, de roupão, cabelo preso em um rabo de cavalo e uma caneca cheia de café quente e cheiroso, Élida suspirava e tentava pensar em algo que espantasse... Continuar Lendo →

Diana – Priscila Pereira

Chovia há tanto tempo que a humanidade já havia se esquecido de como era o sol. Os poderes do fogo eram escassos e os que o dominavam estavam quase em extinção. As Ondinas tomaram o poder por um momento de fraqueza do povo do fogo. Outrora poderosos, deixaram-se enganar pelo orgulho, desprezaram os demais elementos,... Continuar Lendo →

Perfume no elevador – Priscila Pereira

Letícia voltou para casa irritada, novamente, já havia se tornado um hábito. Não suportava os clientes irritantes que atendia na perfumaria do shopping, o trabalho era mal remunerado e opressivo, sentia falta do ar puro do campo, estava cansada das frescuras do povo da cidade grande. Essa inquietação, que ela atribuía ao descontentamento com o... Continuar Lendo →

Sol de inverno – Priscila Pereira

  As manhãs de inverno, para mim, são sempre as melhores. O ar, entrando gelado para os pulmões e saindo em forma de vapor. O sol tímido, com sua luminescência dourada e sua capacidade de queimar reduzida. Morno, eu diria. Esse equilíbrio da natureza me encanta, sol de inverno é sempre o melhor. Nesses dias... Continuar Lendo →

Querido avô, – Priscila Pereira

O senhor se lembra da promessa que minha mãe lhe fez muitos anos atrás, de cuidar dos seus irmãos mais velhos, solteiros, quando não pudessem cuidar de si mesmos? Pois então, fico feliz em informar que ela vem cumprindo à risca essa promessa e agora que ela já não é mais uma moça, estou dando... Continuar Lendo →

Obsessão – Priscila Pereira

Abrigado no interior de meu carro, observei as pessoas que passeavam pela praça, tentando imaginar de onde estariam vindo, para onde iriam, se tinham família, amigos. Olhei atentamente sua fisionomia, as mais felizes sempre me atraíam, levavam-me a pensar que conseguiram tudo o que queriam da vida, tudo o que haviam planejado.  Infelizmente não conseguia... Continuar Lendo →

O espelho de Morfeu – Priscila Pereira

    Era a primeira noite que passava em minha nova casa. Minha primeira casa; agora sim podia me sentir adulta. Comprei um casarão antigo, já mobiliado, que precisaria de inúmeros reparos e reformas, mas ao invés de desânimo pelo trabalho e dinheiro que isso custaria, me sentia animada pela aventura.     Escolhi um quarto que me chamou... Continuar Lendo →

O nascimento de uma mãe – Priscila Pereira

  Quando percebi o resultado positivo no teste de gravidez, eu chorei. Não foi de alegria. Não, não foi de tristeza também. Foi de medo. Meu marido perguntou se eu não estava feliz, afinal, depois de seis anos de casados, iríamos ter nosso bebezinho. Ele não entendia. Como poderia entender? Como eu iria explicar que... Continuar Lendo →

Poema ao vento – Priscila Pereira

Um vento forte, cheirando a hortelã, bateu em meu rosto, esvoaçou meus cabelos e trouxe voando um pedaço de papel. Nele li um poema: "O mesmo vento que traz a tempestade Leva o rancor e a melancolia embora. O mesmo vento que traz o perfume das flores Leva embora o choro de roubados amores. Deixe... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑