Desencontro II – de Sandra Godinho

Desencontro II Tim tim. Foi assim que tudo começou. Um jantar a dois. Tête-à-tête. Mão-na-mão. O amor dando o tom, o substantivo e o verbo. Ao fundo, um conjunto qualquer tocava MPB e os garçons dançavam pelas mesas com taças de champanha. Ou assim eu registrei, nada como ter na cabeça olhos míopes, vinhos baratos... Continuar Lendo →

Anatomia de uma loucura – Sandra Godinho

  Juliana não podia entender o mal que tinha me causado com aquele beijo. Eu era um psicólogo que, assim como os padres, tinha de manter uma certa postura e, assim como os padres, tinha um dever a cumprir nessa sociedade condenada à danação. Demônios todo mundo tinha e eu, assim como todo mundo, tinha... Continuar Lendo →

A amante – Sandra Godinho

Era estória dos antigos do lugar, quase ninguém a conhecia exceto dona Sibelina. Assim que a noite caiu na aldeia que beirava o rio, Anay não esperou a terra esfriar do calor do dia: ela se agachou, estendendo seu corpo rente ao chão, encostou a cabeça no solo para ouvir suas entranhas, sem se importar... Continuar Lendo →

Acalanto – Sandra Godinho

“Às 6h da manhã, eu fui acordado repentinamente de um sono profundo. Comparecer a uma execução. Ok, então eu só vou fazer a função de carrasco e, depois, a de coveiro. Por que não? Não é estranho? Você ama a batalha, mas é obrigado a atirar em pessoas indefesas. Vinte e três tiveram que ser... Continuar Lendo →

Quando escapou… (Sandra Godinho)

Quando escapou... Quando escapou-lhe as lágrimas ficou mais leve. Ele sentiu de imediato a leveza no corpo frágil de inconfessáveis segredos. Fugiram-lhe à face, simplesmente, cansadas de rolar por bochechas que se negavam a sorrir, fugiram-lhe à causa de uma maturidade cansada que deixava sulcos profundos no rosto, traços marcantes de um mapa que somente... Continuar Lendo →

Bomba alienígena – Sandra Godinho

Tique Taque Uma célula dentro do cosmos de um universo qualquer que por acaso é o meu universo de tempo e espaço só universo de dentro e fora meu universo que só se multiplica só e você pensa vou morrer eu sei que vou morrer algum dia alguma hora mas não tem que ser logo... Continuar Lendo →

A vida como ela não é – Sandra Godinho

Cocó... Cocó...Cocó...Cocó... O barulho começou de madrugada. Nos meandros das sombras, como uma péssima dose de filme noir. Ou policial. Ou o raio que o parta. O fato foi que ele surgiu com tal magnitude que não me deixou mais dormir. E me aporrinhou o juízo. E eu me senti explodir. E vi minha vida... Continuar Lendo →

A Ajuda – Sandra Godinho

De: Lea Bernardi (leabernardi@hotmail.com) Enviado: terça-feira, 2 de janeiro de 2018 Assunto: Lucca Para: Paulo Gomes (paulo.gomes@outlook.com)   Olá, Paulo! Se você está lendo esse e-mail é porque a curiosidade se tornou maior que o ódio, o que é  bom. Sinal de que a raiva decantou depois de dez anos de silêncio absoluto. Já era... Continuar Lendo →

O Jogo de Damas – Sandra Godinho

O tabuleiro. Mais de dois milhões de pessoas na praia preparam-se para a virada. No palco, montado em frente ao Copacabana Palace, Cidade Negra. Negra como o véu da última noite do ano. Belo. O maior espetáculo do planeta. Anita, com seu ‘Vai Malandra’. A última noite do ano é uma cadela no cio. É... Continuar Lendo →

A Lição II – Sandra Godinho

Claro que uma fatalidade podia ser vista sob mais de uma luz. Não fosse ter perdido o torneio de futebol naquele dia nunca teria enfrentado a vida como devia de ser. Evidente que não havia sido talhado para o esporte, por causa da gordura e da falta de ar, mas eu me esforçava. Sempre me... Continuar Lendo →

Nó de Rendeira – Sandra Godinho

Dona Firmina, que já não tinha as mãos firmes, arrastou com dificuldade a cadeira para junto da janela, buscando na claridade a guia dos olhos. Olheiras azuis, córneas esbranquiçadas, insones de dias, preocupadas a encarar o corpo que apodrecia a cada segundo e com a missão que ainda não cumprira. Ela desejava a luz branca,... Continuar Lendo →

Nana nenê – Sandra Godinho

  Nana nenê Que a cuca vem pegar Papai foi na roça Mamãe volta já   O nascimento dela era uma novidade, o primeiro filho, o primeiro sopro, o primeiro sono. Quis enxergar nela as marcas que insistimos em procurar nos recém-nascidos que a fazia nossa. A marca de nascença, o nariz de um, a... Continuar Lendo →

A Ghost-writer – Sandra Godinho

(Inspirada por Catarina Cunha) Segunda-feira, 31 de julho de 2017, 9:47hs ...Ele me agarrou pelo quadril e me puxou para perto de si, encaixando suas pernas entre as minhas coxas. Pude sentir seu hálito quente, seu perfume almiscarado, sua barba rala roçando meu rosto. Enfiei meus dedos por seus cabelos e o puxei para perto... Continuar Lendo →

A Lição – Sandra Godinho

(* Conto escrito por Sandra Godinho, baseado num post do Facebook) - Benção, vó! - Deus te abençoe, Miguel. Agora vá caçar o que fazer. Assim era minha avó: curta e pragmática. Não se deitava em afagos ou cortesias. Não perdia tempo com o que não fosse necessário. Também não perdia ocasião de ensinar.  Com... Continuar Lendo →

A caçada – Sandra Godinho

  Tempo fechando. Sol sem rasgar nuvem, chuva branca arriando no céu. Diacho de inverno trazendo desgraça, dificultando peixe. Família minguando de bucho vazio, só na farinha com água. As águas invadindo as terras, os bichos fugindo pros igapós, os peixes sem morder anzol. Ariscos, homens e animais na terra disconforme. Mais um avanço do... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑