O Retorno (Vanessa Honorato)

Não venha me perguntar por que depois de todos esses anos, só agora resolvi falar; por que decidi desenterrar um assunto com o qual eu nunca, de fato, me envolvi? Bem, não adianta perguntar, porque, a resposta exata, eu não tenho. Talvez seja pelo fato de que pressinto que meus dias estão findando e não... Continuar Lendo →

Aquilo que se impusera – Elisa Ribeiro

Sentou-se no tapete em frente à janela. As pernas dobradas, as mãos sobre os joelhos, os olhos da gata da vizinha nos seus. Fechou-os. Pensou em si mesma como uma fruta em ponto de tombar ao chão de madura ou uma hortaliça em fim de ciclo na terra. Usava essa imagem para fazer-se imóvel, o... Continuar Lendo →

A Joia de Kaumã – Evelyn Postali

O cinturão preso ao corpo reluzia ao menor sinal de invasão ou perigo. Fora lhe dado por uma das grandes feiticeiras das Terras Escuras, além das Montanhas de Ébano, depois das florestas, cujas árvores frondosas e retorcidas criavam um barreira de espinheiros sombrios e venenosos.Guerreiro algum que atreveu-se a impor sua espada contra aquele território... Continuar Lendo →

(sem título) – Fheluany Nogueira

e as fadas se entendem com os grilos e vaga-lumes, falam às pedras; mas eu, perdida em contradições, vestida de malhas, calçada de galochas, escovando os cabelos, tomando posições, me enveneno de angústias... gostaria de estar entre as fadas e me permitir tirar os sapatos. deitada no chão sorriria para a magia, falaria com as... Continuar Lendo →

Aura – Giselle Fiorini Bohn

- Você me ama? - Sim. A pergunta já lhe fora feita tantas vezes que ele respondia sem nem mais pensar. Começou pouco após conhecê-la; no início achou doce, então divertido, depois estranho, e agora era insuportável. A insegurança e a carência, que tanto o encantaram a princípio, passaram a exasperá-lo. Ele havia dito sim-claro-que-eu-te-amo-que-bobagem-isso... Continuar Lendo →

Asas de Vidro – Evelyn Postali

Nota: Chorinea amazon é uma borboleta cujas asas são transparentes. A imagem que ilustra essa publicação foi construída a partir de filtros de forma e cor sobre a fotografia de uma borboleta Amazon angel. Elas são encantadoras por si só, por serem borboletas e não apenas pela transparência de suas asas. A borboleta eu fotografei... Continuar Lendo →

BUTTERFLY ORIGAMI (Claudia Angst)

Aliso meus papéis tentando escolher um. Somente um que me vista de forma adequada para o momento. Há de ser o mais encorpado, o mais resistente, o menos amassado. Flexível feixe de papiro, adornado com delicadas fibras. Minhas fibras, redobradas tentativas de fortaleza.  Sinto a textura do material que não quero mais reciclar. Terá seu... Continuar Lendo →

Match, crush & pizza – Elisa Ribeiro

Local: Quarto do filho jovem (Mãe e filho sentados na cama) FILHO: Mãe, agora não. Eu tô cansado. Isso aí é demorado. MÃE: Nada disso. Eu já baixei o Tinder (pronunciando “tindow”). FILHO: Mãe, é Tinder (com pronúncia corretíssima). MÃE: Então, foi o que eu disse. FILHO: Ok. E aí? (debruçando-se sobre o celular da... Continuar Lendo →

Experimento poético 2 – Paula Giannini

a parte que te morde é a que sangra                                     tão doce eu lamberia fosse outro qual anjo em um altar que não consagra  deslizo inocente em asco lodo se a rua que castiga é chuva e açoite quisera em um vislumbre eu compreender que Deus criou a fera desta noite? que giro aponta a roda... Continuar Lendo →

Toda água – Elisa Ribeiro

Cavaste um poço em mim e deleembora secoiçaste um óleo que sobre meus olhos-lentefez brilhar dourada a tarde a meio e pressurosa E desse poço agora brota o impulsoa dança sinuosa e o saltoa pirueta líquidaa borboleta esguia que evapora [Inversão antideterminística dos polos: o que era pouco e frágil e vagose fez potênciae não... Continuar Lendo →

JARDIM – Juliana Calafange

Do telhado do edifício mais alto, eu olhava para o jardim de petúnias lá embaixo. O ar estava pesado, nem parecia primavera. Me sentia feliz, mas o termômetro e o barômetro confirmavam que as coisas estavam bem acima do normal. Puxei a Rolleiflex para fotografar o derradeiro frescor da vida, mas antes que eu pudesse... Continuar Lendo →

Canções de Brincar – livro de Raquel S. Beltrame (Arte e Literatura – Resenha) Evelyn Postali

Pesquisa e texto: Raquel Batista dos Santos Beltrame Publicado pela Signo Editora, em abril de 2021. Formato: 25x25cm, sem orelhas. Impressão colorida. Capa em papel Ningbo Fold 300g, laminação brilho especial Miolo em papel Couche Brilho 150g Projeto gráfico e diagramação de Amanda Marcon. Ilustrações e ilustração de capa: Evelyn Postali. ISBN: 978-65-993586-0-9 Canções de... Continuar Lendo →

A TRILHA SONORA DOS NOSSOS DIAS (Claudia Angst)

Ainda não sei se escrevo melhor no silêncio ou ao som de canções inspiradoras. Escrevo o que corre na mente e nem sempre recolho o que escorre. As músicas empurram as palavras, engatilhando-as em frases que caem surpresas no papel. A melodia percorre meus neurônios e assume o controle das emoções a serem deflagradas no... Continuar Lendo →

Os 10 vencedores do Concurso Rapidinhas

Confira os dez microcontos vencedores do Concurso Rapidinhas As Contistas, realizado no mês de maio. Parabéns aos campeões!!! CampeãoLuciana MerleyCarros revirados e trilhos sobre os homens em meio aos blocos de construção. Ao lado, meu filho movia o tórax levemente. Tomei-o nos braços, beijei-o, orei ao seu ouvido e puxei a cobertinha do Spiderman até... Continuar Lendo →

A ladra em mim – (Fheluany Nogueira)

Meus olhos descreveram círculos e varreram as paredes, até que pousaram no Jesus da folhinha a me vigiar o dia todo, intemporal, indesgastável. Eu não tinha o corpo fixado na eternidade como ele; eu envelhecia. Na comparação, esqueci que a folhinha era para ser usada como calendário, ver as datas. Esta finalidade havia se perdido...... Continuar Lendo →

O Velho – Fernanda Caleffi Barbetta

(Fabíola vai até a cozinha, onde a mãe lava a louça) Fabíola – O que o Tião queria a essa hora?Mãe – Tião?Fabíola – É. Ele não tava na sala com o pai?Mãe – Era o velho. (Fabíola senta-se à mesa) Fabíola – Que velho?Mãe – Parece que encontraram um corpo.Fabíola – Corpo, que corpo?Mãe... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑