Viver exige coragem – Vanessa Honorato

Acordo, mas não consigo me mexer. Meus músculos parecem pesar uma tonelada. Meu corpo ainda não quer agir, prefere ficar aqui, deitado, quieto. Por outro lado, minha mente vagueia por todos os lados, voando em todas as direções, como flechas atiradas por um cego, desnorteadas. Minha mente quer explodir. Sem controle, galopando feito cavalo bravo.

Depois de minutos intermináveis de luta contra meu corpo e contra minha mente, desço da cama. Com os olhos semicerrados vou ao banheiro, tropeçando em meus próprios pés. Tiro o pijama e abro o chuveiro. Deixo a água cair mais fria do que eu gostaria, é preciso um choque de realidade para me fazer abrir os olhos. Enxugo os cabelos e me enrolo na toalha. Vou para o quarto lutando contra a vontade de voltar para a cama. Visto meu uniforme e saio.

Assim que chego ao escritório sou recepcionada pelo olhar de desprezo do meu patrão. Ele quer me botar na rua, só ainda não o fez por pena. Sabe que dependo do emprego, preciso comprar meus remédios. Sorrio e até meu sorriso sai falso e forçado. Ele vai para sua sala e eu sento à minha mesa, aguardando o primeiro paciente da manhã.

Para minha surpresa, quem aparece não é o paciente, mas Fernando, meu amigo de infância que não via há muito tempo. Disse-me que estava a trabalho na cidade e ficaria alguns dias. Mesmo sabendo da bagunça que eu e minha casa estávamos, convidei-o para ficar comigo e ele aceitou. Depois de tantos dias finalmente sorri com vontade. Minha mente percebeu que ainda é possível viver. Basta não desistir e aproveitar as oportunidades que a vida oferece.

Seja como um girassol e gire para onde haja luz!

14 comentários em “Viver exige coragem – Vanessa Honorato

Adicione o seu

  1. Oi, Vanessa! Saudade de ler um texto seu, estava lembrando outro dia do seu conto para o Mulheres em Verbo. No seu texto você definiu bem. Basta não desistir. Mas é doloroso, não é? Por isso a compreensão das pessoas (os amigos) é essencial. O “Basta não desistir” é uma versão para o “Continue a nadar”, né? =) Adorei as imagens, principalmente a da moça com o guarda-chuva! ^^

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi, Bia. Quando você me pediu um texto para o setembro amarelo, eu tive medo. Porque meus finais tendem a ser pessimistas. Tentei fazer algo mais leve e positivo. Eu vivo com depressão há anos e não é fácil, mas se desistir, é o fim. A gente precisa ter coragem até para levantar de manhã, a pior hora do dia para mim, então eu tenho feito isso: não desistir. As Contistas tem sido uma grande inspiração, uma força na minha vida, só tenho a agradecer a vocês. ❤

      Curtido por 1 pessoa

      1. Sei bem o que diz… Nunca imaginei que tivesse desânimo para sair da cama também, para dar aula, mas assim estou, há meses… Como você, nem pensar em desistir, mas pra isso o esforço é grande… Ah, sobre os finais tristes etc. eu me policio pra isso há algum tempo… Tenho buscado os finais felizes, eles fazem bem… =)

        Curtido por 1 pessoa

  2. Oi, Vanessa! Nunca passei por isso, então é difícil imaginar, mas seu texto me deu uma ideia clara de quão horrível deve ser esse sentimento de depressão, solidão, escravidão. Um texto ótimo, profundo e com esperança. Isso é o melhor, há esperança! Um abraço pra você!
    Até mais!
    💖🥰😘

    Curtido por 1 pessoa

  3. Olá, menina Vanessa! Um texto curto, porém robusto porque faz um mergulho nas sensações e sentimentos do seu Eu Lírico. Gostei do formato entremeado com imagens + frases de impacto. Deixou mais ágil e com mais personalidade a sua história. Em 2002 eu tive labirintite. Como nunca havia tido isso antes, as tonturas me deixavam assombrada. Era dirigindo, era no supermercado, era olhando para paredes de azulejo… Eu não sabia o que fazer para parar aquilo. Procurei neurologista, procurei clínico geral, fiz exames cardiológicos, achavam que eu estava com síndrome do pânico. Foi assim até que uma alma boa descobriu o que era e um simples remédio me tirou deste inferno.

    Tentei ser o mais discreta possível, mas algumas pessoas do trabalho me trataram com grosseria porque muitas vezes eu não conseguia me levantar do meu lugar e sair andando. Eu sentia medo de cair.

    Foi bem ruim, mas passou. Existem outras coisas que vão muito além do que pode ser resolvido com um simples remedinho. Seu conto é curto mas contou uma grande história para mim.

    Viva a amizade, as pessoas boas, e a esperança de que um dia tudo vai se resolver.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Oi, Vanessa

    Sendo sincera , queria não ter me identificado tanto com o seu texto. rs Esse acordar de manhã e juntar as forças pra levantar e seguir a rotina…enfim.

    Belo trabalho, honesto, gostei bastante dos quotes intercalando e moldado o texto. Tem muito de você nele e já lhe parabenizo pela coragem de se compartilhar. Um final muito bem conduzido e real, pequenos grandes motivos pra seguir em frente, todo dia um novo dia.

    Parabéns!

    Curtido por 2 pessoas

  5. Oi Vanessa. Seu texto é breve mas muito honesto. A descrição que você faz da depressão, a falta de energia para o mínimo, para o básico, é de arrepiar de tão tangível. A indiferença e a incompreensão das pessoas em geral sobre a doença também aparece no seu texto mostrando a crueldade de que somos capazes por pura incapacidade de alteridade. E o fecho do seu conto é de uma singeleza realmente tocante. Um beijo, querida, e parabéns pelo texto.

    Curtir

  6. E quando não há sol, um girassol se volta para outro girassol, compartilhando a energia. Assim deve ser a amizade que nos sustenta nos momentos mais difíceis. O arrastar das horas que parecem esfregar a alma no concreto. Quem nunca?
    Conto curto e preciso. Muito bom de ler. Surpreendida por um final feliz que me fez sorrir. Parabéns e siga em frente como o lindo girassol que você é.

    Curtir

  7. Que lindo este seu conto entremeado pelas frases e imagens. Muito boa a sua ideia, que deu um toque a mais no texto, tornando-o mais interessante, Além da escrita impecável, a mensagem que o texto traz é muito bonita. Parabéns.

    Curtir

  8. Querida Vanessa,

    Seu conto trouxe o tema com um toque a mais. Além de ler, deparamo-nos com as imagens, criando-se um tipo de “conto-concreto”, se é que isso existe.

    Sabe, dia desses assisti ao espetáculo online de um amigo que narra a própria depressão, e, por incrível que pareça, quem o salvou foi uma amiga que estendeu a mão. Percebeu que algo estava errado e agiu.

    Não é fácil, eu sei, muitas de nós convivem de perto com esse mal. Porém, é preciso lutar. Este tema, também tem muito de você, e, você pode fazer dele sua marca, ajudando “amigos” leitores, do outro lado da tela.

    Parabéns, querida Vanessa, por sua prosa poética concreta e linda.

    Beijos
    Paula Giannini

    Curtir

  9. Depressão é uma doença que está atingindo quase todos. O texto traz um incentivo para que as pessoas sigam a luta.

    Bem na realidade, a gravidade da depressão só quem realmente sabe é a própria pessoa que tem, assim, ótimos recursos textuais, que deram a impressão de uma campanha a favor da vida, foram o foco narrativo de primeira pessoa e os quotes.

    A que estranhos caminhos nos levam uma boa história! Aqui, o caráter ficcional mistura-se aos sentimentos e sensações pessoais e juntos constituem um relato profundo e sincero. O texto pareceu-me um desabafo, repleto de autenticidade e com ares de intimidade entre leitores e autora. Outro ponto positivo é a valorização da amizade, do contato humano.

    Parabéns pela fluidez e pela mensagem positiva. Você escreve com clareza e sobriedade que seduzem.
    Um forte abraço!

    Curtir

  10. Oi, Vanessa!
    Um tema importante e vasto, o dia a dia de quem vive com uma doença silenciosa, que faz tanto estrago na vida. As cobranças, os comentários que nunca ajudam, só deprimem ainda mais o doente, tal como” você precisa de Deus”, “você tem que ter força”, enfim, uma epidemia.
    Seu texto nos mostra a rotina de uma personagem que sofre, mas ainda cumpre com suas responsabilidades, e subitamente vê um raio de sol surgir, trazendo calor e esperança, na figura de um amigo.
    Esperança e luz, a mensagem deixada pelo conto e pelo girassol.
    Beijos!

    Curtir

  11. Amigos são como o sol, iluminam nossa vida. Muitas vezes, surgem quando menos esperamos, e quando mais precisamos.
    Um texto falando da realidade, mas também de esperança.
    Parabéns.
    Beijos e abraços carinhosos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: