Incondicional – Evelyn Postali

 

Eu subo na bancada da janela lateral e espio pela fresta da cortina. O gramado é viçoso e a saída lateral do carro do meu patrão está fechada. A vizinha estende a roupa e vejo as crianças passarem com as bicicletas. Se não estivesse preso aqui já estaria lá fora, querendo seguir com elas. Já estou acordado há um bom tempo. Não vi Julia e Kadu chegarem. Eles não coçaram minha barriga. Nem me chamaram para jogar com meu brinquedo favorito. A bolinha ainda está ao lado da minha cesta. Olho para ela e não sinto a menor vontade de brincar sem eles.

Eu faço o que normalmente faço o dia inteiro. Percorro a casa reconhecendo os lugares pelo cheiro peculiar de cada parte. Subo as escadas e me deito em cima da cama dos que me amam. Cheiro os travesseiros. Vou até o ateliê e dou uma volta. O cheiro das tintas faz meu focinho coçar. Quando eu me canso, eu desço. Faço minhas necessidades na área de serviço, em cima do tapete de plástico porque fui bem treinado.

Espero na porta, sentado. Estão demorando.  Já passou da hora do almoço e ninguém ainda chegou. Eu dou uma volta pela sala e subo novamente na bancada. Espio. Enxergo o cão que sempre circula naquele horário e dou uns latidos. Ele não escuta porque está sempre do outro lado da rua. Não ouço o barulho do carro. Julia e Kadu estão demorando e eu não ganhei biscoito.

Eu sei onde é que a minha ração está. Paro diante do balcão e espero. Não sei abrir aquela porta. Eu raspo a minha pata, mas ela não arreda e eu choramingo. Resolvo tomar água para aquietar meu estômago. O telefone toca e eu corro para a sala e me ponho ao lado da estante abarrotada de livros e discos. O som do aparelho insistente me irrita e eu uivo. Depois de alguns toques o silêncio retorna.

A sala não é meu lugar preferido, mas o sofá é confortável, então, pulo para cima dele e fico por um tempo quieto. Tem almofadas e uma manta impregnada com o perfume adocicado de Julia.

Quando eu vou para a bancada outra vez, já está escuro lá fora. A casa também está na penumbra. Julia e Kadu não voltaram e sem opção, volto para o meu cesto e fico olhando a cozinha do nível mais baixo. Tudo é tão triste sem eles… A luz da rua desenha a janela no piso.

Passo a noite no silêncio. Sinto falta da televisão que Júlia sempre liga. E Kadu não tocou violão. Eles não se beijaram e também não me chamaram para brincar.

A manhã chega. Alguém abre a porta e eu penso em meus patrões. Meu rabo já balança, mas é Fernanda, irmã de Julia. Ela está chorando e os olhos estão vermelhos. Junto dela tem alguém que não conheço muito bem. Mas eu pulo para festejar a sua vinda porque a solidão é ruim. Ela não retribui com festa. Apenas acaricia meu pelo e continua chorando, colocando comida no meu prato. Troca a água da minha tigela e recolhe o cocô do tapete de plástico. Ela coloca em mim a guia.

— Precisamos resolver isso também, Artur.

— Eu sei, mas agora não. Deixa passar tudo. Tem tempo.

O homem me leva para caminhar pela quadra.

— Vamos lá, peludo!

O exercício me faz bem e meus músculos se aquecem.

Sinto os cheiros novamente. As flores do quintal do outro vizinho. A comida da senhora de idade da casa gradeada. O poste carregado de cheiro dos cães de rua. E nem sinal de Júlia e Kadu.

O passeio é longo. Ele para e fuma. O cheiro não é agradável. É semelhante ao que o amigo de Kadu traz com ele todas as vezes que tem futebol. Somente ele fuma e, fuma no lugar indicado pelos patrões: na parte de trás da casa.

Ao voltarmos, ele pendura a guia no lugar e Fernanda desce do andar de cima carregando uma sacola. Eu farejo coisas de Julia e Kadu. Ela vai levar e eu seguro a sacola. Não pode levar embora o que é da casa.

— Tudo bem, amigão. Está tudo certo. — Ela afaga o meu pelo outra vez e continua chorando. — Você não compreende, não é? Não tem noção do que aconteceu, mas vai ficar tudo bem.

Ela me olha de um jeito diferente. Sinto o cheiro de Madalena, a mãe das duas. Eu dou uns latidos. Madalena não gosta de mim.

O homem enxuga as lágrimas de Fernanda.

— Precisa ser forte, Fê. Sua mãe precisa de você.

Não entendo o que está acontecendo. Eles vão embora e eu fico sozinho outra vez. Pulo para a bancada esperando ver Julia e Kadu chegarem, mas eles não vêm. Eu choramingo, me angustio. A noite chega. Meu instinto diz que devo me preparar. Algo não está certo.

 

~~~~~~~~~~~~

Quando eu cheguei nessa casa, era pequeno. Meus irmãos ficaram no canil junto de meus pais. Eu ganhei uma coleira. Nela tem uma medalha. Tem meu nome gravado e um número de telefone para chamar caso eu me perca.

— Ficou linda, Kadu!

— Que tal um passeio agora, amigão?

Eu não me perderia nessa vizinhança. Sou muito esperto e bom farejador.

Nas primeiras três semanas já sabia tudo desse lugar. Conheço cada cheiro que a casa possui.

No andar de cima, no ateliê, o cheiro de óleo e terebintina são minha aflição. Os espirros começam cinco minutos depois de eu entrar naquela sala, apesar de eu gostar do cheiro dos lápis de cera da caixa que fica ao lado dos tubos cheios de pincéis.

Eu já estraguei alguns pincéis da Júlia. Mastiguei os cabos, esfacelando a madeira frágil, mas o cheiro doce me conquistou. Ela ficou triste, mas não bateu em mim. Repreendeu-me, alterando a voz. O castigo foi severo. Durante uma semana não joguei bola com Kadu.

Já comi o calcanhar de um chinelo, também. Salivei e não resisti. A borracha tinha cheiro apetitoso.

— O que pensa que está fazendo, seu danadinho? Onde já se viu comer meu chinelo?

A cozinha é o lugar mais cheiroso da casa. Cheiros doces e salgados se misturam a outros. Na hora das refeições eu compareço, mas sou, quase sempre, ignorado. Mesmo que eu peça, não ganho nada da mesa e o jeito é contentar-se com a ração.

Agora estou aqui, na bancada da janela da sala outra vez, esperando por Júlia e Kadu. A comida, intocada, não me apetece. Estou triste e sozinho faz tempo e a chegada do carro me alerta. Não reconheço o veículo. Talvez eles tenham chegado, finalmente.

Eu desço com pressa e me apronto na porta. Fico atento, a esperar por quem entra. Uma ansiedade que faz meu coração pular. O desapontamento é grande. É Fernanda e ela vem acompanhada do mesmo moço do outro dia.

— Deixe tudo lá em cima.  As caixas só chegam depois de amanhã.

— Quer mesmo ficar com essas coisas?

Eu estou sentado em cima do tapete e minha cabeça segue de um para o outro.

— Sim. Com a maioria delas.

— Incluindo o cão?

— Isso é algo que terei que discutir com ela, Artur.

Eu os acompanho. Eles circulam pela sala. Fernanda para em frente da estante. Puxa um livro. Coloca no lugar. Ele mexe nos CDs. Depois, mostra um vinil para ela.

— Esse é bom.

— A maioria é.

Ela recolhe o porta-retratos. É onde eu estou junto de Júlia e Kadu. Nossa primeira foto, feita por um amigo, num dia cheio de brincadeiras no pátio.

Depois, ela vai até a área de serviço.

Minhas coisas são recolhidas. O tapete de plástico. O pote da água. A tigela. O saco com a ração é retirado de dentro do armário e é levado para fora. Nunca saíram de onde estavam. Júlia não costuma mexer as minhas coisas de lugar.

— Isso é tudo?

— Sim.

Ele apanha a guia e eu mexo o rabo. Penso no passeio sem ter muita certeza de como será.

— Que tal dar uma volta, peludo?

Meu nome não é peludo.

 

~~~~~~~~~~~~

A casa é grande. Tem dois andares. Muitas janelas. Teria lugar para mim. Tudo poderia ser como costumava ser, se Madalena, ao menos, gostasse de cães, ou tolerasse minha presença dentro de seus espaços.

Logo que cheguei, escutei Fernanda interceder por mim, em vão.

— Eles amavam esse cão, mãe.

No começo pensei que ela me levaria até Júlia e Kadu, que este era um lugar de passagem. No entanto, amarraram-me a essa corrente. Estou preso perto dessa casa minúscula de um tom desbotado de marrom, em uma condição permanente. Tenho um cobertor, aí dentro. Puído. Com cheiro de velho, de coisa mofada e úmida.

Outro dia, ouvi outra conversa entre elas. Arthur, como sempre, não interferiu

— Precisa se recuperar, mãe. Não pode agir desse jeito.

— Filha…

— A vida precisa seguir em frente. Nesses três meses só vejo a senhora chorar.

— Você pensa que é fácil?

O tempo passou arrastado. Três meses nos fundos da propriedade de Madalena. Três intermináveis meses. Já estou aqui há muito tempo e a saudade cresce. Eu me lembro de onde vim. As imagens vêm em flashes. Elas me abraçam e fazem me lembrar de como as coisas eram antes de chegar aqui.

Chorei muitos dias e noites. Não dormi. Implorei para ela me acolher. Tudo o que quero é carinho e um pouco de respeito. Quero me sentir amado. Ela não entende o meu olhar.

Durante as primeiras semanas, nas poucas vezes que alguém abriu o portão, eu fiquei em alerta, esperando Júlia ou Kadu aparecerem para me resgatar daquele lugar tão sem alegria, tão cheio de dor. Depois de perceber que eles não voltariam, o portão abre e eu não me importo, mesmo guardando na lembrança a imagem dos dois. Eu me pergunto onde eles estão, o que estão fazendo, e por que me abandonaram. É um sentimento estranho e terrível.

Vejo Madalena chorar, enquanto estende a roupa. Suas mãos tremem. Ela não é tão velha, mas as pernas vão devagar. Ela não parece bem. Desde que cheguei, uma escuridão enorme brota de dentro dela e se lança por todos os cantos.

Também choro a falta dos que amo, mas meu choro não a comove e tampouco tenho a chance de aplacar seu desgosto com minhas lambidas.

Fernanda chega sempre carregando livros. Ela vem me ver uma vez por semana. Afaga meu pelo. Ensaia uma brincadeira ou duas, mas já não faço festa para ela. Nem para ela, nem para ninguém. Tudo o que sinto é solidão. Uma solidão crescente e teimosa.

Talvez, se eu enxergasse a rua… Porém, não enxergo a rua, nem crianças, ou outras pessoas. Não vejo a vizinhança. Penso na janela e na bancada da casa onde eu morava e que, antes, eram minha distração. Tenho na lembrança o cheiro da grama e das flores, do perfume de Júlia e de cada cômodo daquela casa, especialmente da cozinha e do ateliê.

Esqueço-me deitado, aqui, porque é difícil me erguer. Minhas patas não parecem fortes para me suportar. O ânimo se perde de mim pouco a pouco. Faz alguns dias a ração não me apetece. Vomito a pouca comida que consigo por para dentro.

As noites são escuras. Os sons ao meu redor não me despertam atenção. Não tenho o aconchego daquelas cobertas macias. De dia, se chove ou faz sol, não importa. Eles são todos iguais. Não há música. Ninguém toca violão. Ninguém trabalha com as tintas.

Eu fecho os olhos. Quero dormir para sempre, imaginando a casa outra vez. Eu, percorrendo seus espaços e me encontrando junto de meus donos. O cheiro adocicado das roupas. O calor dos abraços. Os afagos.

Um acorde bem distante me chama. Kadu está tocando violão. É sua música preferida. Tenho a impressão de ter escutado a voz de Júlia a chamar meu nome. Ergo minha cabeça e meu corpo com a mesma força de outrora.

Minhas orelhas se erguem alertas.

— Vem, Jasper!

É ela!

Eu corro sempre em frente. Olho de relance para trás e a casa de Madalena desaparece em meio a um nevoeiro incomum. Tomo embalo. Sinto que vou como o vento, seguindo a voz de Júlia e o perfume que ela emana.

Vejo formas que se tornam nítidas. Eles estão além do portão. Eu o atravesso confiante e eufórico e me jogo em seus abraços em gesto de pura angústia dissipada. Pulo, lambo, balanço o rabo. Dou voltas ao redor deles. Respiro amor. Eles sorriem e Kadu faz a pergunta que eu esperava ouvir fazia tempo…

— Pronto para passear?

35 comentários em “Incondicional – Evelyn Postali

Adicione o seu

  1. Olá, Evelyn.
    Seu conto é sentimento puro. Trouxe-me lágrimas aos olhos. Perdi o meu cachorrinho esse ano e o sofrimento é bem esse, sentimento de perda e de esperança de um dia nos reencontrarmos. Tocante! Parabéns por retratar tão bem esse sentimento.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Agradeço suas palavras! Obrigada por ler e comentar. Entendo esse sentimento também, porque são parte de nós e de nossa sintonia com o mundo. Perder um amigo peludo é perder parte da família. Creio que eles também sentem o mesmo. Morrer de tristeza faz sentido quando nos colocamos no lugar do outro. Mais uma vez, obrigada. Um grande e carinhoso abraço!

      Curtir

  2. Nossa, Evelyn. Colocar cachorro no meio é covardia. Que história linda e tocante, amiga. Não dá para não chorar acompanhando as expectativas do Jasper e a dor dele perdendo os donos, sendo levado para outra casa, tentando não se esquecer de cada detalhe…

    Cachorros são tão apegados a quem mora com eles, não é? Perdi o meu depois de sete anos de convivência, sinto falta até hoje. Deram-me um outro, idêntico a ele. O cachorro novo vivia amarrado nos fundos de uma casa. A coleira nunca havia sido retirada de seu pescoço, formando uma área onde o pelo não cresce mais. Em algumas horas o cachorro já estava completamente apegado a mim e ao meu filho, como se nos conhecêssemos há anos.

    O seu conto é muito lindo. Se eu entendi corretamente, Jasper acabou morrendo e só assim pode reencontrar o casal amado: Julia e Kadu.

    Um final feliz a seu jeito.

    Muito bem, flor. Terminei de ler todos os contos do EC e mandei as notas. Vim ler os contos daqui. O seu está lindíssimo. Beijos.

    Iolanda.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Sim. Entendeu bem. Foi isso mesmo. Cães esperam por seus donos até no além, eu creio, porque o amor que eles têm é incondicional. Totalmente desapegado de tudo. Tudo o que querem é amor. Por isso se aprende muito com eles. Obrigada pelo carinho. Obrigada por ler e comentar. Esse conto não tinha ainda um final. Eu escrevi a primeira parte e deixei guardado numa pasta. Resolvi dar um destino para o cão. Acho que o final foi feliz até certo ponto.
      Eu quase não escrevo sobre animais. Tampouco sobre crianças. Não sou muito chegada nessa temática, mas tenho me adaptado. O EntreContos ajudou a me livrar de muitos medos. kkkkk
      Obrigada novamente.
      Um grande e carinhoso abraço!

      Curtido por 1 pessoa

  3. Nossa, Evelyn! Vc me fez chorar! Eu amo taaaanto os animais! Eu me senti toda na pele do seu cachorro, indignada com o destino dele. E pensar q tantos destinos são iguais. Sem falar nas pessoas cruéis q abandonam seus amigos por aí, por qualquer motivo vil. Você constrói os personagens de forma muito tocante, devagarinho, pincelada por pincelada, e a gente vai se envolvendo, e se emocionando. Morrer é bem isso – saudade. Um conto belíssimo, parabéns!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada pela leitura e comentário, Juliana! Obrigada por suas palavras. Eu penso que, assim como sentimos saudade deles, quando partem, também eles, sentem nossa falta. Acredito muito na existência da alma dos animais. Tenho um grande respeito por eles, mesmo não sendo vegetariana. O Espiritismo e algumas religiões xamânicas explicam isso. Mas enfim… Cães estão muito próximos de nosso espírito. São especiais. Nos ensinam muitas coisas. E a saudade… Bem… A saudade é um eterno poente. Vai se morrendo aos poucos todos os dias na ausência.
      Um grande e carinhoso abraço.

      Curtido por 1 pessoa

  4. Que conto mais emocionante. Comecei a chorar logo depois da introdução, pois deduzi o que havia acontecido. Lembrei-me de uns versos populares que parecem corresponder aos sentimentos do cão: “Saudade é como um parafuso que tem rosca e não cai, que a gente enfia torcendo, porque batendo não vai. Quando cria ferrugem por dentro nem distorcendo não sai.” Cães são assim mesmo, fiéis até na morte. E, você soube retratar tudo com “fidelidade”.

    Gostei muito do foco narrativo, criou um relato diferenciado e a linguagem ficou bem apropriada. Parabéns! Cada fragmento do seu texto pode ser plenamente sentido e assimilado.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada Fhe! Que bom que gostou! Fico muito feliz. A saudade é algo estranho e cruel. Não sei se existe saudade boa, talvez sim, porque temos saudade de momentos felizes e momentos felizes passados nos fazem sorrir. Contudo, a saudade de quem nos amou por completo, de quem nos acolheu em sua vida, e que amamos também intensamente, é feito um poente. Eu sempre digo que a saudade é um eterno entardecer, um eterno poente, porque ela morre com a luz, fazendo nosso coração esquecer-se da luminosidade do dia e do brilho das estrelas da noite. Cães são criaturas fantásticas. Têm um coração enorme, porque esquecem o mal que fazemos, mas não o amor. Eles têm um sentimento do tamanho do mundo.
      Obrigada por ler e comentar. Um grande e carinhoso abraço.

      Curtido por 1 pessoa

  5. Oi, Evelyn,

    Aos prantos é pouco… Muito emocionante. Muito triste e, infelizmente, muito real. Cachorros em corrente, após uma vida de amor, há tantos. São vidas desperdiçadas.

    Já havia lido há um tempo, mas quis esperar para comentar. Me pegou em um dia especial, nem quero comentar o assunto…

    Mas o conto sim.

    É lindo, tem emoção, causa empatia, deixa o leitor rendido em suas mãos. A gente acompanha torcendo por um final feliz O eu você dá isso ao leitor. Doce ilusão de felicidade, eu sei, mas para quem lê é na ficção que a magia se faz. E o reencontro entre o cão e seus tutores foi perfeito. Ao menos para mim, ainda que apenas em um relance no momento do fim, não importa. Naquele momento ele voltou a ter amor. A autora colocou todo aquele amor ali, em palavras.

    É por isso que gosto de escrever com mulheres tão incríveis. Vocês me lembrar, a cada novo conto, o motivo real para a literatura. Emocionar.

    Parabéns.

    Beijos
    Paula Giannini

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada por suas palavras, Paula!
      Cães são vidas maravilhosas que nos brindam com um amor sem precedente. Tenho um grande respeito e admiração por quem gosta de animais, em especial cães, porque acredito que aqueles que os têm e que amam de verdade e cuidam, aprendem lições importantes e passam a ver o mundo com os olhos do coração.
      Obrigada por ler e comentar. Um grande e carinhoso abraço!

      Curtir

      1. Olha me emocionou tanto que nem consegui comentar direito. 😉 Vou divulgar esse conto sempre que “precisar” dele em minha vida de resgates.

        Curtido por 1 pessoa

  6. Oi, Evelyn maravilhosa!
    Já li e reli Incondicional, e todas as vezes me emocionei….eu me senti na pele e pelos de Jasper…vi o mundo e o conto através dos olhinhos doces e amorosos do cãozinho, senti toda a tristeza pelo desaparecimento de Kadu e Júlia, o sofrimento da mãe (embora sua atitude não tenha justificativa), o abandono durante tr~es meses…e o final, quase uma libertação, o sonho realizado de outra vez rever seus queridos tutores.
    Aiiiiiiiiii chorei foi muito, viu? Mas não há como ser diferente, e creio, deve ser assim mesmo a visão/pensamento/sentimento desses nossos tão queridos amigos.
    Um grande beijo!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Eles são especiais, Renata. São criaturas maravilhosas. Nos ensinam a ser melhores, a entender o amor em um outro nível. Eu amo de todo o meu coração.
      Não era minha intenção fazer chorar. Eu considero esse, apesar de tudo, um final feliz. Não se sabe exatamente o que nos acontece na morte. Tudo é um ato de fé. Contudo, acredito que, se há um espírito, se há uma alma, esta, vai se juntar com outras almas irmãs, todas ligadas pelo amor, sentimento soberano, que nos faz respeitar, compreender, mudar.
      Obrigada por ler e comentar. Fico feliz que tenha gostado.
      Um grande e carinhoso abraço!

      Curtido por 1 pessoa

      1. O choro é de emoção, Evelyn, por ver o tamanho do amor desses bebezinhos por nós ❤ E sim, foi um final feliz, o reencontro. Também acredito muito nisso….assim que sair "daqui" quero reencontrar os meus que já foram, me esperando na ponte do arco-íris. Beijos!!

        Curtido por 1 pessoa

  7. Eita lelê… tô chorando horrores…. rsrs
    Como a vida destes serzinhos pode mudar completamente pela mão humana, para o bem e para o mal… Neste caso, os donos faleceram e ele definhou de saudade e falta de amor.
    Penso tb naqueles que são abandonados pelos donos por indiferença mesmo e pior, largados na rua… imagina a dor, o susto, , um verdadeiro terror!
    Uma pena que Jasper não recebeu amor de mais ninguém.. mas que bom que a morte não é o fim.. enfim,não dá pra escrever aqui sem continuar chorando muito… rsrs
    Abração, Evelyn

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigada, Anorkinda, pelo comentário cheio de sentimento. Também me sinto triste sabendo que muitos não têm o carinho que merecem e o destino feliz do amor.
      Obrigada por ler e comentar. Um grande e carinhoso abraço!

      Curtir

  8. Que lindo, Evelyn! Sem palavras. Amo cachorros. Tive um labrador apaixonante que, acho, renderia umas 50.000 palavras se resolvesse contar a metade das coisas que vivenciei e aprendi com ele. Um dia ele fugiu, desapareceu, nunca mais foi visto. Certa noite, meses depois, tive um sonho super enigmático com ele. Quando bate a saudade, lembro o abraço que ele me deu nesse sonho. Seu conto me fez reviver algumas das experiências que tive com o Toddy. Muito grata por isso. Parabéns pela história tão tocante! Beijo.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Fugiu? Ou foi roubado? Tive um cão roubado do sítio. Era muito carinhoso e ainda filhote. Dizem que os cães, quando estão muito velhos e sabem que estão para morrer, se afastam de seus amores humanos.
      Eu tenho um amor enorme por cães. São tesouros que vêm para a nossa vida e tornam os dias muito melhores.
      Obrigada por ler e comentar.
      Um grande e carinhoso abraço!

      Curtido por 1 pessoa

      1. Acho que o que aconteceu foi que ele deu uma fugidinha pra namorar e nisso foi roubado por alguém. Muito triste…deixou uma saudade imensa.
        Beijos, querida.

        Curtido por 1 pessoa

  9. Narrativa em primeira pessoa de uma vida de cão. A relação com oa donos, revelando um amor incondicional. Texto escrito com muita habilidade e sensibilidade. Lindo! Parabéns.

    Curtido por 1 pessoa

  10. Puxa vida… O que comentar desse conto? Dizer que estou com os olhos vermelhos é pouco… Impossível não lembrar do filme Sempre ao Seu Lado, principalmente porque se trata de uma história real. Pareço uma boba chorando aqui… Esse conto deveria ser lido por todas as pessoas. Talvez aquelas que não tratem bem um cachorro (tipo essa senhorinha aí do conto) amoleçam o coração… Parabéns, mil vezes parabéns…

    Curtido por 1 pessoa

  11. Comentar essa etapa está sendo dureza, este conto então me molhou os olhos. Ai, Evelyn, assim eu morro!: ” Desde que cheguei, uma escuridão enorme brota de dentro dela e se lança por todos os cantos.” – Puro sofrimento. Muito triste, muito bom!

    Curtido por 1 pessoa

  12. Olá Evelyn. Lindo conto,todo relatado a partir da perspectiva do cachorro. Logo de início se percebe o sucedido com os donos, mas eles não são como nós e ficam perdidos numa situação dessas. Gostei muito de tudo: da história, da escrita, da descrição dos seus sentimentos, do final. O final foi redentor. Que bom se fosse assim, não é? Parabéns.

    Curtido por 1 pessoa

  13. Oi Evelyn, quase perdi o meu cachorrinho mês passado, foi uma luta e muito sofrimento, ainda bem que o final foi feliz, pena o Jasper ter sofrido tanto antes do reencontro redentor – a morte abraça a morte, um primor de conto, muito emocionante, o pobrezinho morreu de saudades e abandono. Snif, bjs.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Saudade mata mais, não? Porque eles têm um amor incondicional por nós e quando faltamos, como são dependentes, muito diferente de gatos ou outros animais, morrem mesmo de saudade. Obrigada pela leitura e comentário. Um grande e carinhoso abraço!

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: